Pular para o conteúdo principal

Arquitetamos sonhos

Muitas vezes andei por aquela rua. Indo para o trabalho. Visualizando a subida íngreme, mas que tinha dois quarteirões. Quantas vezes andei por ela indo visitar parentes, que nela moravam.
Um dia meus olhos avistaram um terreno, cheio de mato, próximo a outras casas. Nele havia uma placa. Uma imobiliária anunciava sua venda. De um comentário como esposo, surgiu o interesse. A venda para o primeiro comprador não saiu. Ficamos à espera.
Ali removemos muita terra. Setenta caminhões. Dali saíram muitos ratos, que lá habitavam há muito tempo. Após a limpeza necessária, os tapumes colocados. Começamos a levantar nosso sonho. Primeiro em nossas mentes. Mais tarde uma arquiteta, amiga nossa, materializou-o usando o AUTOCAD. Estava ali. Diante de nós o sonho desenhado com detalhes, medidas e proporções.
O tempo passou. Economia. Muita economia. Salário de professor, pagando aluguel. Fomos erguendo o sonho, tijolo por tijolo. Percalços, muitos no caminho. Pedreiro sem compromisso, desonesto. Obra inacabada. Mudança apressada. Garagem sem portão. Tapumes vedavam nosso lugar dos olhares indiscretos. Escuridão. Mudamos. Nossa casa. Nossa primeira casa. Sem varanda. Uma porta para o nada. A janela para o mundo.
Muita luta. Muitas prestações depois. Muitas idas ao depósito de materiais de construção depois. Trabalhos extras nas férias para o marido. Economia, muita economia em casa. Sem saídas para o lazer. Sem roupas novas e novos calçados. Sem a pizza tão desejada. Amigos ajudaram. Mutirão para encher as lajes. Churrasco para alegrar os amigos, parentes e demais, ex-alunos, vizinhos, todos eram bem vindos. Uma laje. Duas lajes.
Pausa para recuperar as forças, recuperar as finanças. Sonho ali, inacabado. Mais um sonho um lar bonito, novo, confortável para mãe e irmãos. Mais tempo se passou.
Mais pedreiros, mais tempo, mais dinheiro. Mais luta. Muita luta. Mais trabalho nas férias do marido para ganhar um extra. Mais um lance da enorme escada. Muitas viagens pelas cidades da grande região. Livros entregues. Divulgação.
Mais tempo se passou e a continuidade de nosso sonho. A entrada da luz. Uma mão, duas mãos, um grande irmão. Energia? Fiação? Quem vai passar? Marido, irmão caçula, amigo-irmão, o Marcão.
Enfim chegou o dia. Alguns detalhes faltavam. Tomadas? Muitas? Colocadas? Somente as necessárias. Mudança. Mãe e irmãos caçulas no seu novo lar. Pai? Tinha sido convocado por Deus. Profetizou “Não, não vou morar nesta casa. A 2000 chegarei, de 2000 não passarei.”

Quantas lembranças... Tempos duros, mas de realizações. Só de escrever este texto, relembrar alguns anos de vida, um filme se projeta em minha frente. Lágrimas nos olhos. Coração feliz! Realizamos nosso sonho. Contribuímos para realizar outros sonhos, sonhos de mãe e irmãos. 

Comentários

Lucelena disse…
História de muitos, realmente, um texto lindo!!!
catléia disse…
Lucelena, obrigada pelo seu comentário. Que bom que gostou!

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha, e He…

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!!
Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra.
Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup. 
Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar. 
Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça!




Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito boa, porém vale…