Pular para o conteúdo principal

A fila e o difícil exercício do exemplo


Depois que as cidades cresceram, os bancos encheram de pessoas, os supermercados ficaram abarrotados de seres humanos apressados, institui-se a FILA!
Como ninguém gosta de perder tempo, há aqueles que querem driblá-la e para isto usam inúmeros artifícios.
Há os que, mais idosos, com direito a uma fila específica, menor, em alguns lugares, ainda não contentes de terem que ficar nesta fila, pois têm prioridade no atendimento, colocam um filho, uma nora, um netinho, para guardar  lugar na fila normal, assim onde for mais rápido, ele irá passar suas despesas ou o pãozinho.
Há também aqueles que, vendo a fila imensa e desorganizada, olham a fila longamente, visualizam um “conhecido”, ficam do lado dele, conversam, falam de diversos assuntos, a fila vai andando, ele ali, “dando uma de joão sem braço”, até que o amigo é chamado ao caixa, ele rapidamente passa suas contas, fica do ladinho, sai em seguida, realizado. Burlou a fila!
Há as longas filas nos estádios, em escola no início do ano, em show de cantor adolescente... Nestes lugares aparece a figura do “guardador” de lugar na fila.  Estes cobram para ficar ali, dias, noites, com chuva, com sol.
Esta figura do guardador está se popularizando muito. Com ele também se populariza o “guardar” lugar. As pessoas não veem mal nenhum nisso. É algo inocente. Guardam lugar para um amigo, um conhecido, um colega de trabalho.
Isto acontece nos lugares mais inusitados.  Comece a observar. Olhe a seu lado e verá muita gente praticando isto.
Além dos lugares inusitados. Há pessoas que a gente acha que não faria isto. Não seria deselegante, deseducado (ou seria mal educado?).
Outro dia soube que em um evento de educadores, isto aconteceu!!! Sim, o jeitinho brasileiro. Lá havia alguém que guardou lugares para os colegas de trabalho sentarem. Como se no lugar amplo, com muitas cadeiras, fosse faltar lugar para todos se sentarem confortavelmente.
E você? Costuma “guardar” lugar? Costuma usar do “jeitinho” para ter vantagem até para sentar? Já entrou correndo no trem ou no ônibus, empurrando, dando cotoveladas nos outros só para poder sentar?
Como cobrar educação e urbanidade dos outros, se não dermos o exemplo?

"O homem acredita mais com os olhos do que com os ouvidos. Por isso longo é o caminho através de regras e normas, curto e eficaz através do exemplo."Autor - Séneca (Fonte: citador: http://www.citador.pt/frases/citacoes/t/exemplo)

Comentários

Unknown disse…
Excelente observação , cito o exemplo da pessoa que guarda a fila no supermercado e depois chega uma outra com 2 carrinho
s cheios, ferindo a expectativa dos demais.
catléia disse…
José Carlos, que bom que gostou. Espero que se torne um seguidor do meu blog, volte outras vezes, comente sempre que quiser.

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo