A ilusão de ser servidor público

 

Se você, meu jovem, tem a pretensão de ser servidor público, pense muitas vezes antes!

Aqui quem fala é um servidor com cerca de 30 (TRINTA) anos de carreira no serviço público. Trinta anos TRABALHANDO! Só tive duas licenças saúde de 15 dias nestas três décadas de trabalho, sendo uma delas, por acidente de trabalho.

Por que falo para pensar?

A estabilidade é um atrativo?

Pense que a cada cerca de 10 ou 15 anos o Governo, em especial dos Estados, fará uma reforma PARA RETIRAR DIREITOS, PARA FAZER VOCÊ SE APOSENTAR CADA VEZ MAIS TARDE, PAGAR CADA VEZ MAIS PARA A PREVIDÊNCIA PARA COBRIR A MÁ GESTÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS.

Como assim?

Os governos optaram por ter cada vez menos servidores concursados (efetivos), sendo assim, alguns estados, tem milhares de servidores contratados, que pagam previdência para o INSS, não para o sistema de previdência do estado em questão, logo, os efetivos que restaram SÃO OBRIGADOS A PAGAR APOSENTADORIA, MESMO ESTANDO APOSENTADOS!

Outra coisa... de tempos em tempos o “governo bonzinho, humanista, que se preocupa com o servidor” proporá uma nova carreira para a sua categoria, mudando nomes dos cargos, mudando salários, para quê? Quem ficar na carreira antiga, provavelmente, com cargo em extinção não terá nenhum aumento de salário, pois não terá gente na ativa com o mesmo cargo (mesma denominação). 

Claro que, nos pronunciamentos oficiais dos governantes, eles NUNCA FALARÃO DOS ASPECTOS NEGATIVOS DE TAIS MUDANÇAS! Por quê? PERDERÃO VOTOS NAS ELEIÇÕES! PERDERÃO APOIO DA POPULAÇÃO.

Por que tais mudanças são aprovadas À TOQUE DE CAIXA? Para não dar tempo, nem espaço, para mobilização dos servidores. Porque os Governos, em geral, possuem maioria na bancada de suas referidas assembleias legislativas, ou seja, estes deputados eleitos por nós, ao invés de defender os interesses da população, vai sempre defender e votar a favor dos interesses do governo e dos partidos, que os apoiam nas eleições.

Por que falo dos interesses da população?

Não acredite que se houver privatização de certos serviços ou terceirização dos mesmos, que isto fará melhorar o serviço prestado. Por que não? Porque os estados querem com isto ECONOMIZAR, para economizar contratam “empresas” por meio de licitação, onde o vencedor é o que oferece o menor preço. Como a empresa oferece menor preço? Oferecendo o “mesmo” serviço com menos funcionários, que ganharão, provavelmente, menos. Vemos isto na educação. Onde antes havia, por exemplo, vagas para 8, 5, servidores, são contratados 2, ou 1 com oito horas de trabalho e outro com quatro horas. Vai fazer o mesmo trabalho? Claro que não! É humanamente impossível, por exemplo, limpar um prédio, grande, com inúmeros espaços físicos sendo utilizados o tempo todo com menos na metade dos funcionários necessários!

Isto acontece só na educação? Não. Na saúde também! Na saúde a terceirização de serviços ocorre por meio das OSSs, Fundações, que assumem hospitais, UBS (Postos de Saúde), maternidades e recebem recursos públicos para gerir o aparelho público. Quem usa serviços pelo SUS, como eu já vivenciei, em minha família inúmeras vezes, sabe a falta de médicos em diversas especialidades, as demoras infindáveis das triagens para poder ter acesso a um especialista, a carência de vagas nos hospitais públicos para enfermarias, quartos.. UTIs... nem se fala! Não é só na pandemia!  

Não pense você, caro jovem leitor sonhador, que o estado, seja ele qual for, vai reconhecer seus méritos como servidor público. NUNCA! Mesmo que você seja um servidor público EXEMPLAR, CUMPRIDOR DE SEUS DEVERES E FAÇA ATÉ ALÉM DELES. NÃO! NÃO SERÁ RECONHECIDO NUNCA!

Quem fala isto, é uma servidora com cerca de 30 anos de carreira, que tem outros membros da família também servidores públicos!

Quem o estado valoriza? Os nomeados pelos políticos! Ah, estes sim tem valor! Ganham os melhores salários! Estão nos cargos em órgãos superiores! Não precisam ter conhecimento aprofundado da secretaria onde vão trabalhar! Não precisa ter feito carreira no setor público!

Há casos, não raros ultimamente, destes seres... não utilizarem um dos princípios basilares do serviço público: TRATAR O PÚBLICO COM URBANIDADE! E não é só  o público externo à administração!

Por que, em algumas Secrertarias de governo, faltam servidores públicos concursados? Porque não é interesse dos governos ter servidores públicos. Porque estes mesmos governos pagam mal, muito mal! As condições de trabalho não são as melhores! Por conta disto desenvolvemos doenças laborais, mas aí você vai no médico do setor público, questiona a respeito e o sujeito responde “Ah, é muito difícil comprovar, que você adquiriu uma LER (lesão por esforços repetitivos) no trabalho! Não adianta nem entrar com ação judicial!”

Eu poderia ficar aqui falando a você, caro  leitor, a respeito da realidade vivida pelos servidores públicos de carreira, mas você pode, se conhecer algum, conversar com ele e perguntar.

Tanto é assim que, apesar de vivermos em  um país, que se diz democrático, ainda temos leis, que impedem o servidor público de dar entrevistas em o consentimento expresso da administração pública! Há casos em que  o servidor é convidado a dar entrevistas pela própria administração.

Eu mesma, há vários anos, divulguei e dei entrevista a respeito de um projeto que desenvolvíamos e saiu uma matéria de página inteira no jornal da região. Assim que saiu publicada recebi uma ligação da chefia regional para, literalmente, “puxar a minha orelha e avisar que eu não deveria ter feito, sem ter antes contatado o superior”.

Há um filósofo que diz que “Há muito mais coisas entre o céu e a terra, do que sonho nossa vã filosofia!”  Eu adaptaria esta fala dizendo que “Há muito mais coisas no serviço público, do que o discursado na mídia pela nossa alta chefia!”.

 

Comentários

POSTAGENS MAIS LIDAS/VISITADAS

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

ENCCEJA 2017 – ELIMINAÇÃO DE MATÉRIAS – CONCLUSÃO ENSINO FUNDAMENTAL – CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO

Documentos escolares: onde encontrá-los?

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Mais informações sobre o CEEJA