Pular para o conteúdo principal

Canto da sereia do ensino remoto

Ouço muita gente falando maravilhas dos apps para aprendizado remoto.

Vou tecer aqui, algumas críticas, vindas de alguém que atuou em sala de aula, que convive com crianças e adolescentes, que visita regularmente escolas, que possuem alunos de 11 anos incompletos até 18, 19, 20 anos.

Também sou uma pessoa adulta, que está em sua terceira pós graduação na área da Educação, sendo as duas primeiras semipresenciais e a atual totalmente on line, sem aulas presenciais. Na dinâmica de curso semipresencial realizamos atividades na plataforma de aprendizagem (on line) e comparecemos uma vez a cada quinze dias, por exemplo, para assistir aulas com Professores das disciplinas estudadas no ambiente virtual de aprendizagem-AVA.

Fiz duas faculdades totalmente presenciais. A primeira, há mais tempo, não havia a possibilidade de fazer semipresencial ou totalmente por educação à distância. Na segunda graduação havia a possibilidade de cursar em EAD, mas por opção fiz presencial. Era fácil? Não, não era, porque eu trabalhava mais de oito horas por dia e foi um período, no qual eu viajava muito à trabalho.

Por que estou fazendo estes comentários sobre minha experiência? Porque falarei do que vivenciei e experienciei, portanto tenho conhecimento para abordar o assunto. Não falarei por “achismos” e nem por leituras sem conhecimento da realidade do aluno.

Sou contra tecnologia? Não. Sou à favor do aluno. À favor do Professor. Sou à favor de educação de QUALIDADE para todos!

Quem conhece e tem contato regular com crianças e adolescentes, sabe que a maioria precisa sim, de um adulto, para orientá-los e sim cobrar a realização de seus compromissos como estudantes. São poucos que, na infância e na adolescência, senta-se, por conta própria, para estudar e realizar tarefas.

Em sala de aula, na escola, o Professor apresenta os conteúdos, seja por meio de aulas expositivas, experiências, projetos, vídeos, e está ali, presente, para interação e para sanar as dúvidas sobre cada conteúdo. A presença dos demais alunos auxilia aquele aluno, que não tem coragem, de perguntar ao professor, por exemplo. Além desta interação importantíssima, a criança e o adolescente interagirão com outros adultos da escola, que apóiam as atividades docentes. Ele vivencia, na escola, como é a vida na sociedade, onde temos horários, limites, regras, opiniões diferentes das nossas, conflitos, tudo isto contribui para uma formação do ser humano em sua integralidade.

O aluno pode usar APPs para estudar, mesmo estudando presencialmente? Claro, que pode. Há muitos professores, que já fazem isto. Utilizam um app para complementar o trabalho realizado em sala de aula.

O que sou contra? Sou contra um ensino totalmente on line para crianças e adolescentes, até mesmo para adultos, que tenham uma formação deficitária, que tentem fazer uma faculdade por ead, que não dará conta de minimizar estas dificuldades deste aluno. Sabemos que o ser humano utiliza, com muita frequência, a lei do menor esforço! Vai pesquisar e buscar sanar sua dificuldade? A maioria? Não! Por que afirmo isto? Por ouvir, outros profissionais, relatarem as inúmeras dificuldades, que vivenciam com docentes, que se formaram somente em cursos EAD. Quais dificuldades? Escreve muito mal, por exemplo. Não consegue preencher um diário de classe, quando mais um digital! Não consegue preencher um relatório. Não consegue elaborar um projeto. Não sabe planejar uma aula. E por aí vai... É culpa da pessoa? Talvez não. Ele estudou em uma instituição, cuja propaganda vendia pra ele uma boa formação a preços baixíssimos e sem muito trabalho...

Havia iniciado este texto, que veio tal como está acima. Hoje, 05/06, assisti uma aula do Prof. Mário SérgioCortella, na qual ele falava deste período de quarentena e do uso de aplicativos na Educação.

Uma aula, uma fala, muito pertinentes! Ele fez um histórico da vida dele, como aluno da Escola Pública, parte dela vivida no Estado de São Paulo e as contribuições da escola para a vida dele. Ele enfatizou, mais de uma vez, a importância primordial e essencial da convivência diária com os profissionais da escola: inspetores de alunos, professores, diretores, coordenadores. Enfatizou também que as tecnologias não devem ser substitutivas à esta convivência, à escola presencial, mas complementar o trabalho realizado pelos professores em sala de aula.

Espero que, sinceramente, não se tenha a ideia, nos diversos níveis de governo, de engendrar esta substituição na Educação Básica, ao invés de investir na Educação, na formação dos Professores, visando a sanar defasagens deixadas pela má formação das graduações, que estão sendo sentidas nas escolas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha, e He…

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!!
Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra.
Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup. 
Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar. 
Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça!




Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito boa, porém vale…