Pular para o conteúdo principal

Espaço público. Público? Ou privado?

Vejo frequentemente certas paisagens urbanas, que me incomodam. Já por algumas vezes, pensei em fotografá-las e postar no Facebook ou até mesmo enviar para determinadas prefeituras. 

Certo domingo vi um destes lugares, em uma rua de uma grande cidade. Vou usá-la como exemplo aqui, mas pelas cidades do nosso País existem inúmeros exemplos de apropriação indevida do espaço público, em especial, das calçadas, que foram criadas para o livre trânsito dos pedestres.
O proprietário do estabelecimento, do local citado, foi muito além. Não sei se o mesmo tem alguma licença especial da Prefeitura do município. O estabelecimento, além de usar a calçada em frente ao local, fez mais ainda! Fez um “deck” para uso de seus clientes usando parte da rua! Que criatividade tem o brasileiro! Conseguiu ampliar o espaço construído do seu negócio, assim atendendo mais clientes, sem construir paredes, sem aumentar o prédio, mas diminuindo drasticamente o espaço público dos transeuntes e também usando o espaço dos automóveis.
No bairro onde moro tem exemplos parecidos. Tem um cidadão que construiu uma escada para acessar o andar superior de sua construção. Até aí nada de mais! Se a escada não estivesse colocada na calçada!
Tem outro. Um comerciante colocou um toldo no seu estabelecimento. Nada contra! Se o toldo não fosse tão grande, que cobrisse toda a calçada. Na verdade ele colocou uma cobertura em um espaço público!
Este não é o único. Andando mais alguns quarteirões, na mesma calçada, tem outro sujeito, que também fez o mesmo. Distribui cadeiras e mesas nas calçadas, onde ficam os usuários do estabelecimento, comodamente sentados, enquanto os pedestres têm que andar pela avenida.
O que me incomoda nisto tudo? Onde estão os fiscais das Prefeituras?
Se você estiver construindo sua casa, se a mesma tiver planta na Prefeitura, para dar andamento no habite-se e você construir uma varanda, que não existe no projeto original, lá vem o fiscal! Pode ser que não venha no início da construção, o que deveria fazer, mas virá quando você estiver concluindo-a e virá com sua pranchetinha para listar os problemas da obra!
Mas e estes caras que invadem as calçadas do centro da cidades e dos bairros? Por que os senhores fiscais tão atentos não veem tais abusos? Não veem os direitos dos pedestres sendo lesados?

Você, leitor, com certeza já deve ter visto exemplos parecidos! Se não viu, observe na sua cidade, no seu bairro! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo