Pular para o conteúdo principal

Fugacidade da vida - singela homenagem ao Prof. Elvair Grossi

Nos últimos tempos tenho pensado muito na fugacidade da vida. No quanto corremos atrás do tempo para realizar as inúmeras atividades profissionais, acadêmicas, pessoais, bem como no quanto muitas vezes questionamos a utilização deste tempo, no qual priorizamos estes compromissos em detrimento de outros.
Que outros? Uma visita a um amigo, que mora em outra cidade, por exemplo. Um telefonema para um irmão, sobrinho, sobrinha, tio, primo, prima. Sim, telefonema. Além das palavras a voz, a fala é nosso diferencial. Foram milhares de anos de evolução para formularmos a linguagem, a fala. Atualmente optamos por escrever, como estou fazendo agora, mandar e-mail, mandar uma mensagem pelo whatsapp, do que falar com a pessoa.
Por que estou tratando disto?
Porque chega uma época, que eu não queria que chegasse, quando os tios que nos viram crescer, se vão, morrem, nunca mais os veremos e nem ouviremos suas risadas, seus conselhos, nem ganharemos um abraço.
Nesta mesma época, ou pouco tempo depois, vemos amigos, de adolescência e juventude, que também se vão. Um morreu afogado. O outro em um gravíssimo acidente entre um carro de passeio e uma carreta. Outro morreu de morte natural, ainda jovem. Passa um pouco mais de tempo, um pouquinho só, e vemos amigos da vida adulta nos deixando. Deixando repentinamente. Sem dar adeus, sem dizer tchau, sem um telefonema, sem um e-mail, sem uma mensagem de whatsapp...
Esta semana soubemos, nem sei como, da morte de um amigo, de longa data, vinte anos de amizade. Ótimo Professor. Atuou, por anos, na Educação Pública do Estado de São Paulo. Atuou em Universidades Particulares da região do ABC. Atualmente estava lecionando na FATEC Mauá. Escritor de vários livros da área da Linguística, da Semótica, livros infantis. Mestre. Doutor. Filho adorado por seus pais. Pessoa do bem. Bem humorado, inteligentíssimo!
Se foi. De uma forma tão inesperada. Foi picado por uma cobra em uma visita a um sítio de seus familiares. Ele que era um ser tão urbano. Que achava o interior do Estado bucólico demais para ele.
Até este texto tem  muito a ver com ele. Professor de Português, assim como eu, amante das palavras, da escrita. Além de tudo, amava sua Profissão, o Magistério. Profissão que escolheu. Não porque não tivesse talento para fazer outra coisa. Foi durante muito tempo funcionário da Rhodia, onde, se bem me lembro, chegou a fazer carreira e ter cargos de chefia.
Deixou uma carreira na área privada para realizar seu sonho: SER PROFESSOR!
Este menino poetinha, retratado no seu livro homônimo, queria ensinar, transgredir a forma como aprendeu, queria sonhar e semear sonhos, idéias e palavras.

Ao Prof. Elvair Grossi nossa singela homenagem póstuma.



Comentários

Anônimo disse…
Fui aluna do Professor Elvair e me sinto muito feliz por ter encontrado esse post. Eu sempre me lembro muito de sua atuação brilhante. Ele propagou em suas aulas na Fatec Ipiranga grandes ensinamentos, os que mais me marcaram foram sobre o senso crítico, as formas de discursos, o discurso lúdico, a comunicação. Suas aulas foram muito marcantes. Tivemos o privilégio de realizar trabalhos incríveis sob a sua orientação. Aprendemos e crescemos com base nas suas exposições. Realmente, era um Professor muito culto e carismático, um ser humano iluminado. Eu admirava muito o fato de ser um Doutor em Semiótica e o seu conhecimento metafísico. Suas provas eram dificílimas (risos), ele se divertiu muito nos dias em que as aplicou e também nos dias em que as corrigiu. Nós nos divertíamos muito em suas aulas.

Todos se lembram do Professor Elvair com grande carinho e todos sentem saudade dele.

Que ele esteja descansando na paz de Deus!

Agradeço o texto postado. Deus te abençoe.
catléia disse…
Muito obrigada pelo seu depoimento, que enriquece e comprova o que escrevi na postagem. De onde ele estiver, com certeza, ficará feliz! Ele abraçou o magistério por amor à profissão! Muito sucesso a você e felicidades! Obrigada mais uma vez.
Anônimo disse…
Eu te agradeço de coração novamente. O que escreveu aqui foi de grande valor.

Muitas felicidades em seu caminho!

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha, e He…

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!!
Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra.
Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup. 
Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar. 
Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça!




Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito boa, porém vale…