Pular para o conteúdo principal

Questão de vocabulário

De vez em quando gosto de falar sobre Educação, afinal sou da área. Há muita gente que fala sobre educação, tendo como experiência no assunto o fato de ter se sentado nos bancos escolares seja no ensino fundamental, no médio ou no superior, mas se acha um entendido no assunto, porque em algum momento alguém deu a ele a prerrogativa de falar sobre. Mas não tratarei aqui sobre estes cidadãos, mas abordarei uma característica da Educação, acredito eu, de outras áreas também.
Nesta minha caminhada no Magistério vamos sendo iniciados, desde o ensino médio, no vocabulário específico da Educação, seja cursando uma Licenciatura em Letras, seja em História, não importa. Com o passar dos anos e a experiência docente, seja em sala de aula, na Direção de uma escola, na Coordenação vamos aumentando nosso vernáculo. Claro, que muito se deve aos educadores célebres, teóricos, que lemos, estudamos para concursos, para aprender mais, em reuniões de trabalho pedagógico nas escolas, em orientações técnicas nas Diretorias de Ensino, Núcleos Regionais de Educação, Secretarias da Educação. Acredito que você, leitor perspicaz, já percebeu, que neste parágrafo já comecei a usar alguns termos da área, mas há uma infinidade deles, que vêm e vão de acordo com as correntes pedagógicas em voga, com os partidos políticos no poder.
Não vou traçar aqui uma linha histórica dos termos pedagógicos, pois este não é o objetivo deste texto, porém irei apresentando-os um a um.
Reciclagem. Já ouviu falar? Claro que ouviu. Muito utilizado atualmente para falar da reutilização de recursos para evitar a carência dos mesmos. No caso em tela esta palavra foi utilizada em uma expressão muito comum há alguns anos: cursos de reciclagem.
O tempo passou e este termo caiu em desuso estimulado pela fala de que “ninguém recicla pessoas”. O caro leitor poderia pensar, então, que o curso ficaria sem um sobrenome. Que nada. Já se chamaram cursos de atualização, cursos de capacitação, e por aí vai.
Há algum tempo se falava muito em projetos e portfólios. Era projeto para cá, portfólio para lá. Não sabe o que é um projeto? Não, não é o croqui de uma casa. Um projeto é uma sequência de atividades baseadas em um tema, que serão desenvolvidas pelos alunos, orientada e acompanhada pelo Professor e que prevê avaliação das etapas ou ao final do projeto, um produto final, que pode ser uma maquete, um relatório, uma exposição.
E o portfólio? Há algumas outras áreas que usam esta ferramenta. Em fotografia, por exemplo, os fotógrafos têm seus portfólios também. Neles estes profissionais reúnem uma mostra de seus trabalhos contendo as melhores ou mais importantes fotos de sua carreira, pois desta forma apresentam o seu trabalho aos clientes. Atualmente podemos utilizar o Flickr para fazer isto ou outro site ou aplicativo, que possa arquivar nossas fotos. No caso da educação o objetivo do portólio é também mostrar o percurso do aluno e/ou do professor, bem como a evolução da aprendizagem e os resultados das intervenções do docente. Você estava achando que era só artista que fazia intervenção? Que nada. O professor também faz. A intervenção do professor no processo de aprendizagem se faz necessária para corrigir os rumos da aprendizagem dos alunos, seja sanando dúvidas, propondo atividades diferenciadas, diferentes agrupamentos da turma.
Falei em agrupamento você já deve estar pensando nos trabalhos em duplas, trios ou grupos, não é? Atualmente se fala em agrupamentos produtivos, onde o aluno que sabe mais pode ajudar o que sabe menos, assim um aprende com o outro. Claro que para isto ocorrer é preciso mudar uma cultura instalada entre alunos, seja de qual nível for, de que um aluno manda, o outro faz, e os demais ficam olhando. Ah! Esqueci. Pode ter uma artista, que queira fazer a capa... Não precisa mais, não é, pode ser feito direto no computador.

Poderia continuar abordando mais e mais termos, mas ficará para um próximo texto, pois não quero cansar meus leitores. E daí? Gostou? Então comente!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha, e He…

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!!
Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra.
Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup. 
Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar. 
Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça!




Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito boa, porém vale…