Pular para o conteúdo principal

Reflexões de final de ano

Final de ano. Sem querer acabamos pensando nesta época. Encontros, reuniões. Amigos, colegas de trabalho, família. Amigos secretos, happy hour, festas nas empresas.
Acabo pensando na minha família. Quando criança, por alguns anos, vivemos as reuniões grandes, barulhentas, de tios e suas famílias, muitas crianças, a preparação do almoço do natal começava no dia anterior. No sítio era assim. Na véspera se matavam os frangos, porcos, limpava tudo, temperava para o dia seguinte.
No dia tão esperado nos reuníamos em um dos sítios de um dos tios, onde se reuniam todos para o almoço. Muita gente! A comida esperada deste dia. A bebida. Sim, porque eram tempos difíceis e certas coisas só eram permitidas nestas festas de final de ano.
Com o passar do tempo, pela necessidade de buscar condições melhores de vida, pois os filhos crescendo, também começaram a buscar seus destinos, as famílias foram se separando. As reuniões numerosas e barulhentas acabaram. Cada núcleo familiar se reunia com os seus. Nada mais de tios e primos.
Por cerca de 10 anos minha família, passou a se reunir em minha casa. Almoços de domingo, almoços de natal. Eu cozinhava, montava a mesa, via meus irmãos, sobrinhos, cunhadas, a maior parte da família, reunidos diante da mesa, retirando sua comida, elogiando os pratos, comendo, conversando. De novo esta agitação tão gostosa!
Nova mudança foi preciso! Ainda tentamos nos reunir. Praticamente todos os irmãos casados, com filhos, sogras e sogros. Dificuldades de se reunir a família toda. A distância, horários de trabalho de cada irmão, necessidade de se passar um período com sogros...
Acho que os natais por aqui, em minha casa, começarão a ficar mais tristes. Sem a presença de meus irmãos, sem meus sobrinhos e sobrinhas correndo pela casa, sem a reunião ao redor da mesa, sem o barulho das conversas. Nós, descendentes de italianos, em geral falamos alto, gesticulamos muito.
Se isto de fato se confirmar será meu primeiro natal somente com meu esposo, eu e minha mãe. Eles também são essenciais na minha vida, mas cada um de meus irmãos, cunhadas, sobrinhas, sobrinhos são proprietários de um pedaço de meu coração, de minha história. Até mesmo o bebezinho mais novo da família, que nasceu há cinco meses, mas parece que sempre esteve presente em nossa família, sentimento este compartilhado por todos.
É isto. Minha família é essencial para mim. Impossível continuar escrevendo, pois as lágrimas rolam pelo meu rosto...

Comentários

Lucelena disse…
Família, sem ela, nada tem graça. O Natal em si já representa a família reunida.

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha, e He…

Prainha de Santa Albertina e Águas Claras em Santa Fé do Sul

Quando conhecemos um lugar legal, bonito, sempre queremos contar, falar como era, as qualidades, o que vimos, o que gostamos, não gostamos. Estivemos recentemente visitando um amigo, que nos levou a conhecer alguns pontos turísticos de cidadezinhas próximas à cidade onde mora. Estivemos um Balneário na cidadezinha de Santa Albertina, mas conhecido como “Prainha”. O lugar tem uma praia de água doce, limpa, do Rio Grande (divisa com Minas Gerais e Mato Grosso do Sul), com quiosques com churrasqueira, um restaurante e lanchonete, além da vista belíssima. Como fomos a este lugar em um feriado prolongado, havia muita gente por lá, claro, o barulho próprio de gente de cidade grande. Carros com som ligado muito alto, ferindo os ouvidos daqueles que não queriam ouvir o tipo de música, que o sujeito gosta! Segundo nosso amigo o lugar é muito tranquilo a maior parte do tempo, pois pudemos verificar que a maior parte dos carros era de outras cidades: São Paulo, Jales, Campinas, entre outras. O out…