Pular para o conteúdo principal

João Delfiol Construções

João Delfiol Construções

RETROSPECTIVA DO BLOG

Criado com o Padlet

O que escrevo aqui?

Vivi  uma cena inusitada hoje. Fui ao correio enviar uma correspondência. Envelopei, fechei. Já estava tudo endereçado, no envelope. Fiquei um pouco na fila. Aproximou-se um moço e me perguntou onde consegui o envelope. Disse que havia trazido de casa. Disse também que tinha mais um na bolsa, tirei-o e entreguei ao moço. Ele quis pagar, disse a ele que não era nada. Não me agradeceu. Tudo bem!
Continuei na fila aguardando o atendimento. Qual não foi minha surpresa, quando ele se aproximou de mim, ficou ao meu lado, perguntou baixinho “O que escrevo aqui? Onde vai meu nome? Onde vai o endereço para quem vou enviar?”
O envelope que dei a ele, era daqueles brancos, retangulares, com detalhes laranja, na frente, onde estava escrito “Remetente:, espaços quadriculados para o CEP”, no verso o espaço para o endereço do  destinatário, sem nada escrito, somente os quadriculados para o CEP.

O rapaz em questão aparentava ter pouco mais de vinte anos.
Por que conto isto aqui? Porque os jovens têm ao seu dispor tanta informação na internet, no celular, iPad, iPod, i isto e i aquilo. Com tanto informação circulando e eles não sabem coisas, que para nós, com pouco mais de quarenta, aprendíamos na escola e no cotidiano.
Atualmente as pessoas não aprendem coisas básicas, porque acham que não vão precisar. Não sabem endereçar corretamente um envelope, porque nunca aprenderam a escrever cartas, envelopá-las, endereçá-las e postá-las no correio.
Não se aprende mais a preencher cheques, porque existem, nos supermercados, as máquinas que fazem isto. Mas e quando esta máquina não funciona, o que se faz? Chama-se o “frente de caixa” ou outra pessoa qualquer que saiba fazê-lo. Já presenciei esta cena em um grande supermercado. Antes de nós estava um casal passando suas despesas, quando a máquina encrencou ao tentar preencher o cheque. Não adiantou os esforços da moça responsável pelo caixa. A conta dava um valor “quebrado”, algo como um mil e trezentos e quarenta reais e trinta e cinco centavos. Não me lembro o valor exato. O caixa não conseguiu escrever por extenso o valor do cheque!
Nos livros didáticos de Português se ensinava isto no conteúdo da quinta série. Poderia não ter muita lógica ensinar isto para uma criança, mas elas aprendiam a escrever os numerais por extenso e também a utilizar isto na prática, mesmo que fosse uma simulação de uma situação real.

Que mais será que não ensinamos por achar, que o aluno ou nosso filho nunca vai precisar? 

Créditos da imagem: 

Comentários

Lucelena disse…
Esse texto expõe com muita realidade a situação dos jovens nos dias de hoje, nascem com um domínio fora do comum na questão tecnológica, dando importância apenas o que está ao seu redor, mas não se importam com coisas simples que muitas vezes se faz necessário.

Postagens mais visitadas deste blog

Prainha de Santa Albertina e Águas Claras em Santa Fé do Sul

Quando conhecemos um lugar legal, bonito, sempre queremos contar, falar como era, as qualidades, o que vimos, o que gostamos, não gostamos. Estivemos recentemente visitando um amigo, que nos levou a conhecer alguns pontos turísticos de cidadezinhas próximas à cidade onde mora. Estivemos um Balneário na cidadezinha de Santa Albertina, mas conhecido como “Prainha”. O lugar tem uma praia de água doce, limpa, do Rio Grande (divisa com Minas Gerais e Mato Grosso do Sul), com quiosques com churrasqueira, um restaurante e lanchonete, além da vista belíssima. Como fomos a este lugar em um feriado prolongado, havia muita gente por lá, claro, o barulho próprio de gente de cidade grande. Carros com som ligado muito alto, ferindo os ouvidos daqueles que não queriam ouvir o tipo de música, que o sujeito gosta! Segundo nosso amigo o lugar é muito tranquilo a maior parte do tempo, pois pudemos verificar que a maior parte dos carros era de outras cidades: São Paulo, Jales, Campinas, entre outra

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

Aqui tem TUDO!

Toda cidade tem suas curiosidades. Há nas cidades nomes de comércios com o nome do município, iniciados com ele, terminados com ele. Há os nomes copiados das novelas, filmes. Há aqueles com os nomes das famílias proprietárias. Por aqui tem tudo isto! E muito mais! Tudo é muito frequente nos nomes das lojas, sejam elas de materiais elétricos, roupas infantis, sejam quais forem os objetos ou serviços a serem vendidos, tudo, tudo, está neles. Talvez seja um ufanismo! Ou um desejo de vender mesmo de tudo! Ou mesmo de consertar tudo, que deu errado, a torneira quebrada, a fechadura emperrada, a casa destelhada. Também aquela vontade de vender de “um tudo”: sogra, carro velho, terreno sem escritura. Querem exemplos? 1.     Acha tudo; 2.     Tem de tudo; 3.     Quase tudo; 4.     Locatudo; 5.     Tudinho; 6.     Vende tudo; 7.     Tudo aqui; 8.     Solutudo; 9.     Papa tudo; 10. Loja X-tudo; 11. Espaço Tudo a mão; 12. Mata tudo; 13. Sr. Faz tudo;