Pular para o conteúdo principal

O que é preciso para aprender a aprender?

Há alguns anos vimos ouvindo na Educação os pilares necessários para o cidadão do futuro. Para quem não os conhece: aprender a ser, aprender a fazer, aprender a conviver, aprender a aprender.
Um deles em especial me interessa neste texto: aprender a aprender. Este pilar pretende que os jovens sejam educados a continuar aprendendo ao longo da vida, mesmo após a saída da Escola, seja ela de Educação Básica ou uma Universidade. Será que conseguiremos isto?
Eu sou de uma geração, que nasceu durante a Ditadura Militar, foi fruto do ensino tradicional, onde o professor era o centro. Mas fomos formados como? O que se pretendia na época?
Acredito que o que se objetivava naquela época, deva estar registrado em planos escolares antigos, cujos papéis amarelecidos, enrolados, arquivados em algum armário antigo, de alguma antiga escola, que preserva a História.
Eu e meus irmãos mais velhos somos frutos desta época. Passamos por mudanças na Educação também. Meus irmãos mais velhos (dois deles) estudaram francês, passaram pelos testes chamados “Exames de Admissão”, que avaliava os alunos para ingressarem no antigo ginasial (atualmente 6º ao 9º ano).
Eu não passei por nada disto, comecei e terminei meus estudos da Educação Básica, antigos Grupo, Ginásio e Magistério, sob a Lei 5692/71, que só foi revogada com o advento da atual LDB 9.394/96.
Tanto eu quanto meus irmãos, entre 45 e 53 anos, já trabalhamos em diversas atividades, ocupações, profissões.
Um de meus irmãos estudou eletrônica por correspondência, quando nem se falava em EAD (Educação à distância). Ele era uma criança de pouco mais de 10 anos, quando começou a estudar. Recebia todo material pelo correio, estudava os livros, fazia as atividades teóricas, as provas, enviava tudo pelo Correio para uma escola em São Paulo (capital). Ele fazia sozinho isto. Estudava, fazia a parte prática, que era a montagem de alguns pequenos equipamentos, que iam ficando mais complexos à medida que avançavam os estudos. Nunca precisou de minha mãe ficar no pé dele, exigindo que estudasse. Seguiu esta profissão por muitos anos!
Quando do advento do plano real, nos anos noventa, (1994 em diante), a abertura do mercado aos importados, deixou de ser vantajoso consertar aparelhos como televisores e rádios, aos poucos a clientela dele diminuiu, além de outros revezes. Conclusão: mudou de profissão. O que foi fazer? Trabalhar com reformas em residências e condomínios. Fez cursos? Pelo que sei, não muitos. Aprendeu um pouco da arte de pedreiro com meu pai; elétrica do curso de eletrônica. O diferencial dele: é um leitor! Lê muito. Revistas, livros, o que cair em suas mãos.
Ele também fez o Ensino Médio por meio do Encceja, conseguiu eliminar todas as disciplinas em duas etapas. Não fez de uma vez só, porque perdeu uma prova.
Não estudou após a LDB atual, não ouviu falar dos quatro pilares da Educação, mas é capaz de aprender a aprender.
Assim como ele, poderia continuar citando outros exemplos de pessoas que conheço, ou que você, leitor, conheça.
Acredito que o primordial para continuarmos a aprender pela vida afora seja primeiro a vontade, além dela o fato de termos desenvolvido as competências leitora e escritora, além do conhecimento da Matemática. Por meio da leitura e da escrita temos acesso a outros saberes, de outras áreas do conhecimento. A Matemática por sua vez está ligada a outras matérias como a química,  a física. Além destas matérias, ela perpassa atividades do nosso cotidiano, desde as medidas tiradas de nosso corpo pela costureira para fazer uma roupa, que fique bem assentada; medidas de um espaço como um cômodo a ser ladrilhado ou ainda o controle dos nossos gastos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo