Pular para o conteúdo principal

Luz ofuscante


Aqueles irmãos, como todos de sua época, cresceram ouvindo histórias nas rodas de conversa da família, ora ouvindo os tios, ora ouvindo avós. As conversas sempre aconteciam depois da “janta”, enquanto as mulheres lavavam as panelas, os homens e as crianças sentavam para jogar conversa fora.
Nessas horas as histórias eram muitas, da família, dos conhecidos, dos amigos, dos vizinhos, reais, fictícias. Podiam ser de assombração também! As crianças sempre ouviam e não perdiam um só detalhe, mas o problema era dormir depois das histórias de lobisomem, saci, mula sem cabeça e tantas outras. O risco era mijarem na cama de tanto medo ao menor sinal de sombras se movendo pela parede do quarto, iluminado apenas pela luz titubeante do lampião ou da lamparina, comuns naqueles tempos em que energia elétrica ainda nem era sonho nesse noroeste do Paraná.
E os irmãos? Filhos de italianos, também se casaram e foram morar com suas esposas onde? Na colônia do pai, onde cada filho tinha sua casa. As casas todas de madeira enfileiradas naquele pedaço de chão conseguido com tanto trabalho.  Nesse lugar, familiar, aconchegante, mas de muitas brigas, de muito amor, de algumas ameaças, mas de muito cuidado de uns com os outros, nasceram e cresceram dezenas de crianças, filhas desses casais.
Mas o que faziam essas pessoas nesse lugar distante? Sem civilização? Sem televisão? Sem novela?
Os homens saiam à noite para irem jogar bocha, jogar truco,  tomar uma branquinha, um vinhozinho, que ninguém é de ferro! As mulheres? A essas cabia cuidar das crianças, ora essa! Cabia também cuidar da casa: lavar roupa no riozinho distante, limpar a casa, “ariar” os alumínios (panelas, caldeirões, etc), dar comida pras galinhas, porcos... Já cansou? É, naquela época elas não conheciam essa palavra, porque além de tudo isso, trabalhavam na roça com seus esposos.
Mas falávamos dos irmãos. Esses, Orlando, Otávio, João Batista, Valentim também trabalhavam muito na roça, mas havia os momentos de lazer. Num desses momentos, numa noite, resolveram andar uns quilômetros até uma venda em um “patrimônio” próximo para jogar truco com uns amigos.
Era uma sexta-feira, 13 de junho, dia de Santo Antônio, que com certeza abençoaria a festa deles. Saíram cedo de casa, porque queriam aproveitar bem a noite. Andaram mais de uma hora, com passos largos, enérgicos. Caminhada de quilômetros que não parecia muito, porque havia muito o que conversar.
Chegaram no arraial, fizeram as duplas, e o jogo de truco pegou fogo! Tanto que não perceberam o adiantado da hora, quando olharam no relógio, era quase meia noite!
Resolveram queimar o chão. Fazer rastro. Ou seja: ir embora. Escolheram uma estradinha, dessas de terra, com muita plantação dos dois lados, ou mato dos dois lados. Olhavam pro céu, a lua se escondendo atrás das nuvens abundantes em noites de inverno, só ficava então aquela luminosidade pálida, que nem se podia dizer que iluminava.
Andaram, andaram, conversaram, conversaram, riram, andaram, andaram, riram. De repente o João Batista falou que precisava urgentemente tirar a água do joelho. Pararam no meio dessa estradinha, ficaram esperando enquanto o Batista, fazia suas necessidades. Ele, o Batista, lá, tranquilo, agachado, já procurando a folha de mamona. Passa a mão pra cá, passa a mão pra lá, até que achou as folhinhas salvadoras. Quando já estava se limpando, de repente olhou por cima da plantação e viu! Não acreditava! Fechou os olhos, abriu, esfregou os olhos... nada! Aquela coisa vinha vindo. Sem esperar, saiu correndo do mato, já com as calças erguidas, gritando “corram, corram”. Os irmãos se entreolharam, mas ninguém se mexeu. Acharam que fosse alguma brincadeira, afinal o Batista era um gozador. Ele continuava gritando “corram, seus bestas, vocês não estão vendo? Olhem pra trás!” Todos olharam por cima das árvores e viram aquela luz imensa, muito brilhantes, que vinha, não se sabe de onde, vinha sobrevoando tudo: mato, plantação, bicho, gente. Era como uma bola de fogo imensa, mas que não queimava, apenas brilhava, brilhava muito. O que era isso? De onde vinha? Ninguém nunca soube. O que se sabe é que cada um deles correu o mais que pode, chegou em casa esbaforido, sem ar, sem sangue no rosto, sem palavras, entrou correndo, fechou a porta, deitou na cama, com roupa e tudo, cobriu a cabeça com o cobertor, fechou os olhos com muita, muita força, tampou os ouvidos com as mãos, para só acordar no dia seguinte.lia, ora ouvindo os tios, ora ouvindo av

P.S. Homenagem aos quatro irmãos (Orlando, João Batista, Valentim, Otávio), que agora, jogam truco no céu...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo