Pular para o conteúdo principal

Ler e conhecer o mundo e outros mundos


Relendo alguns documentos no computador, reencontrei um texto, uma carta. Uma carta que escrevi, em 2010, após uma visita na Bienal do Livro de São Paulo, de onde trouxe um presente, um livro, para uma aluna. Uma senhora que fazia aulas particulares comigo. Queria muito aprender a ler. Segundo as palavras dela “Eu não sei ler. Eu não entendo o que leio. Não consigo ler um livro, porque não entendo quase nada!”
Nossas aulas não tinham um plano definido, como era de se esperar, pois em sala de aula isto é necessário. Eu ia adaptando minhas aulas aos interesses dela, pois uma mulher adulta, trabalhadora, tinha necessidades diferentes de um adolescente.
Fui assim, tentando, aos poucos, testando, inventando, criando, recriando, buscando, desta forma, vencer a maior dificuldade da aluna: a certeza inabalável de que não sabia ler, que não entenderia os livros.
Usei vídeo filmagem para ela se ouvir lendo. Usei livro didático em alguns momentos. Em outros usei panfletos da loja dela. Usamos recibos. Ela escreveu pequenos textos. Lemos poemas. Notícias.
Entremeando tudo isto, quando sentia vontade, dava um livro aqui, outro acolá. O primeiro que dei, comprei na banca de revistas, não era evangélico, mas falava de Cristo, o grande mestre. Dei o livro, com um “bilhete”, digitado no computador, com palavras simples, que me vieram à mente. Foi muita emoção! Ela chorou, pois estava a ponto de desistir das aulas, disse que isto que eu fiz foi um sinal!
Neste dia, que comprei este livro para ela, comprei um para mim, que devorei. Comentei deste livro com ela. Contei brevemente parte da história, mas sem contar o final. Falei do autor, que eu conhecia desde a minha adolescência, do porquê ele escreveu o tal livro. O livro? Quase memória de Carlos Heitor Cony.
Quando dei o livro, que trouxe da bienal, Dias raros, de João Anzanello Carrascoza, ela também se emocionou, pelo simples fato de eu ter feito este carinho, dado este presente, ter pensado nela, enquanto me divertia na Bienal.
Cada um destes meus atos, destes livros teve respostas, inesperadas para mim. Mas como foram importantes e decisivas para ela.
O livro do Carrascoza trazia, entre os seus contos, um que falava de um menino de interior, que chega na cidade grande. Ela se identificou demais com esta história, com a descrição feita pelo autor. Me disse “Este livro fala da minha vida!”
O livro do Cony trouxe consigo uma promessa “Um dia eu vou ler este livro. A senhora me empresta?”
Claro, claro que emprestei. O resultado? Tempos depois, durante a leitura, ia me contando partes da história. Ao falar de cada parte comentava o livro, a linguagem utilizada pelo autor, as “minúcias” que ele descrevia ao falar de lugares, de pessoas, de sentimentos.
As aulas infelizmente foram descontinuadas devido a problemas de saúde de uma pessoa da família dela, bem como aos compromissos que assumiu em virtude desta doença.
Quais os frutos destas aulas? Consegui(mos) que uma pessoa que tinha medo de ler, lesse CINCO livros em menos de um ano. Que perdesse o medo paralisante de escrever.
Ainda a vejo, de vez em quando, nestes momentos vejo na sua mesa de trabalho sempre um companheiro. Um companheiro que a acompanha no trabalho, em casa: um livro!
Como diz o Cony no livro Quase memória “Fizemos grandes coisas hoje!”


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo