Pular para o conteúdo principal

Obsolescência nossa de cada dia

Há uns 15 ou 14 anos atrás eu comprava meu primeiro computador pessoal: o PC. Naquela época (olha que fala antiga!) ele vinha com imeeeeeensos 2gb de memória (HD), e uns  30 Mb ( se me lembro bem...) de memória Ram. Como custava caro comprar um  em uma loja de rua, regularizada, comprávamos computadores montados, ou seja, cujos componentes vinham separados, eram montados no Brasil. Em geral, alguém conhecia um amigo, do amigo, do amigo, que montava os computadores, que vinham com um monitor enorme, mais parecia um televisor, uma torre que tinha tão somente um leitor de disquete 31/2 ( você já viu um disquete?).
Alguns anos se passaram, fomos mudando de PC, pois ano após ano foram ficando obsoletos, antigos, ultrapassados. Só para ter uma ideia meu atual PC, também antigo, tem 160 Gb, monitor tela plana, fino, visualização muito mais clara. Nem tem leitor de disquete, apenas de dvd. É muito antigo, porque existem coisas muito mais modernas.
Mas o PC, composto de várias partes, evoluiu para o notebook, um computador menor, mais leve, fácil de carregar, que pode ser levado de um lado a outro, mas ainda mudou mais ainda, para o netbook, um computador menor, com tela de 10”, muito mais fino, mais leve, a paixão dos adolescentes, pelo tamanho, pela praticidade.
Mas ainda era pouco, recentemente vimos surgir o i-Pad, parecido com uma tela, do tamanho de um livro, fino, com tela “touch-screen”, onde a um toque de seus dedos estão os programas, os sites, livros.
Vimos surgirem programas, como o msn, skype, voip, que aproximam as pessoas, permitem às pessoas se falarem, por textos digitados, falados, se verem por meio de web cams, mesmo estando a oceanos de distância.
Contando tudo isto, quem nasceu com os dedos nos teclados leves ou levíssimos de um netbook, não viu, não conhece a máquina de escrever.
O que é isto? É um bicho? Tem no museu?
Eu tenho uma, olivetti, que comprei há alguns anos para preparar matrizes de provas para meus alunos, porque tinha os caracteres maiores, que deixavam os estênceis melhores, facilitavam a leitura.
Imagine que quando criança fazíamos um curso de seis meses ou mais para aprendermos a datilografar, a treinar a velocidade de dedos e mãos a tal ponto de digitarmos sem sequer enxergarmos as letras do teclado, tal como estou fazendo agora neste momento ao digitar o texto que você, leitor-internauta, está lendo agora. Esta capacidade, habilidade, de digitar, não, datilografar muito rápido e sem ver as letras, era muito valorizada, porque nos possibilitava datilografar mais palavras por minuto, por conseguinte render mais no trabalho, fosse uma secretária, um auxiliar administrativo.
Havia também, além das máquinas de escrever, como a da imagem ao lado, máquinas elétricas, grandonas, mas mais comuns em escritórios, mais rápidas, com a escrita mais limpa, o barulho então...
Mas pensa você, caro internauta, que só haviam máquinas grandes? Não! Existiam também as chamadas máquinas portáteis, que vinham com uma espécie de capa, que se encaixava nela para protegê-la durante o transporte.
Você que está lendo, deve estar pensando que sou uma destas senhorinhas, de cabelos brancos, que está escrevendo suas memórias... Nada disto!
Apenas resolvi falar da obsolescência nossa de cada dia, que perpassa o cotidiano de todos nós, homens e mulheres, jovens e crianças, que não nos deixa passar impunes por tantas e tão rápidas transformações.
 Se você quer  ver a história do computador em imagens, acesse esta ótima apresentação em slideshare: http://www.slideshare.net/kaguraway/evolucao-do-hardware-fotos



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha, e He…

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!!
Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra.
Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup. 
Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar. 
Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça!




Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito boa, porém vale…