Pular para o conteúdo principal

João Delfiol Construções

João Delfiol Construções

RETROSPECTIVA DO BLOG

Criado com o Padlet

Aprender a conviver

Essa semana que passou fui à São Paulo para realizar um exame, talvez fosse fazer uma cirurgia. Na salinha de espera do hospital, mais pessoas na mesma situação que eu, algumas jovens, universitárias, outras de 40 e poucos anos, outras com sessenta. 
Enquanto aguardávamos os atendimentos, cuja espera se prolongou por várias horas, as pessoas fizeram de tudo: conversaram, assistiram tv, contaram piadas, riram, reclamaram, leram revistas de fofocas de famosos, questionaram a demora, observaram-se umas às outras.
Em um dado momento, perto das 9h00, a tv de lcd na parede estava exibindo o Programa da Ana Maria Braga, que estava entrevistando um casal da melhor idade, que haviam se encontrado há uns sete anos, se apaixonaram, estavam namorando há uns sete anos ou mais. O Programa, auxiliado por empresas, patrocinou uma transformação para a Senhora, que mudou cabelo, fez peeling no rosto, aplicações de laser nas mãos para tirar as manchas típicas da idade e do sol, implantou alguns dentes, comprou roupas novas em uma loja de grife, claro, auxiliada por uma consultora de estilo, enfim teve uma consultoria de pessoas competentes de cada área, sendo assim o resultado só poderia ser dos melhores. A Senhora foi chamada para entrar na casa de vidro da Ana Maria, onde a esperava o seu amor, um senhor de mais de sessenta anos, acredito eu. Se abraçaram, se beijaram... um beijo na boca!!!!
Essa foi a expressão das jovens universitárias, que estavam de olhos atentos assistindo e comentando o programa, mas não parou por aí. Além do espanto um comentário, que me deixou estupefata: QUE NOJO! Sim, isso mesmo, leitores, não acharam um gesto bonito, de amor, de carinho entre um homem e uma mulher apaixonados. Sentiram asco, nojo, repulsa por esta demonstração de um casal apaixonado. Simplesmente porque não se tratavam de de dois adolescentes, ou de dois jovens! 
Como estranhar manifestações de preconceito contra homossexuais, se os jovens têm preconceito contra idosos, emos, punks, e outras tribos? 
Se uma pessoa que está cursando um curso superior tem este tipo de preconceito, o que diremos de ampla maioria da população, que não chegam nem a concluir o ensino fundamental ou o médio? 
Isso me lembra os quatro pilares da educação de Jacques Delors:
- aprender a conhecer;
- aprender a fazer;
- aprender a ser;
- aprender a conviver.
Que jovens estamos formando? Como diminuir a violência e o preconceito se os jovens não aprendem nem a conviver com os idosos? Que representação estes jovens têm das pessoas da terceira idade? Será que pensam que são assexuados? Será que acreditam que não mais podem se apaixonar, porque não têm mais 20 anos de idade? 
Precisamos cada vez mais aprender a conviver, pois vivemos diariamente em grupos: a família, a escola, os amigos, a igreja, o clube, os shows, o trabalho. O homem historicamente é um ser social, que sempre, desde os primórdios, viveu (vive) em grupos, por isto aprender a conviver se torna um grande desafio para todos, educadores ou não!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo

O QUE FAZ UM SUPERVISOR DE ENSINO?

Recentemente após certa postagem no facebook, duas respostas em tom de gracejo, me deixaram extremamente irritada! Ambas davam a entender,   que os profissionais, que atuam na Supervisão de Ensino não trabalham! Existe esta “lenda” na rede   estadual, onde se fala que é a “supervidão”.   Assim como falam, que quem trabalha nos núcleos pedagógicos não trabalha. Assim como falam, que o Diretor de Escola não faz nada. Assim como falam que o Coordenador não faz nada... e por aí vai. Já estive em outras funções, sei o quanto se trabalha! Mas não vou falar dos outros. Vamos tratar do cotidiano do Supervisor de Ensino, tentando esclarecer ao público, com palavras simples, o que realiza e quais as responsabilidades deste profissional, que é o mais alto cargo na carreira docente no magistério oficial do Estado de São Paulo. Claro que, em uma única postagem, não é possível, mas aos que quiserem saber mais, gostarem de ler legislação poderão ler o recente Decreto de reestruturação da