Pular para o conteúdo principal

Algumas palavras sobre jovens e educação

Nós, que trabalhamos na Educação, em especial a paulista, estamos desanimados com esse estado de coisas, pois seja no Ensino Fundamental ou no Ensino Superior, o que se vê é um constante estímulo ao desenvolvimento, nos alunos, da lei do menor esforço.


Logo no início das aulas solicitei as minhas turmas dois textos ou três, dependendo da turma, avisei-os que serviria para avaliação. Os textos iniciados na sala, que deveriam ser entregues na próxima aula, foram entregues por uma minoria dos alunos. Os textos que exigiam alguma pesquisa, mesmo com integrantes da família, não foram feitos pela maioria dos alunos, nem foram entregues apesar de ter alargado o prazo, ter cobrado, resultado: para que tivessem as mesmas avaliações dos demais alunos, daqueles que realmente estudam, tive que trazer folhas com as comandas dos textos digitadas, entregar a cada um deles, dar uma, duas, três aulas para que fizessem em sala de aula, mesmo assim alguns alunos simplesmente receberam as folhas, dobraram, puseram embaixo da carteira, viraram para o amigo, conversaram, no final da aula, entregaram a redação em branco.


Esses mesmos alunos foram mal em duas outras avaliações, ou então fizeram como o texto: entregaram apenas como o nome, mais nada. Eles também são aqueles, que ouvem o primeiro sinal para entrar na sala ou troca de aulas, ouvem o segundo sinal (específico para o professor na entrada), continuam pelos corredores conversando, minutos após a entrada do professor (a) em sala, chega, empurra a porta, quer entrar.


Atualmente temos, digo temos, porque ouço isso dos demais professores, problemas para atribuir nota, pois há alunos, que vêm pra escola, sentam-se na carteira, conversam a aula toda, nem copiam a matéria, só copiam caso o professor passe dando visto no caderno, como também usando esse visto para “dar nota”.


Isso nos desanima, mas somos professores do ensino fundamental e do médio!


Mas não pensem que nas faculdades está melhor, em especial em algumas particulares, cuja média é 5,0, mesmo faltando às aulas os alunos não ficam com ausências, uma vez que os sistemas são informatizados, mesmo que o professor deixe-os com falta, o coordenador tem como acessar e “sumir” com essa ausência.


Estudei em uma faculdade particular do ABC, que já tinha uma certa fama de ter uma qualidade duvidável, entretanto tínhamos muitos bons professores, nossas ausências às aulas, mesmo com justificativa por escrito (motivos de trabalho) não eram retiradas.


Agora essa mesma faculdade, comprada por uma gigante da educação superior, reduziu o número de horas/aula, mesmo os alunos faltando... bem já imaginam o que acontece! Meu irmão iniciou o curso superior nessa mesma faculdade há tempos atrás, antes de a instituição ter sido vendida, mas precisou parar o curso, retornou agora. Ele nos contou que está desapontado, pois a qualidade, a organização caiu muito.


Diante disso tudo fica a pergunta: que cidadão estamos formando? Será que estamos formando um cidadão? O que estamos formando?


Com um mundo cada vez mais globalizado, onde os trabalhadores são cada vez mais chamados a se especializar, estudar, falar duas ou três línguas, no mínimo; saber informática, entre outras habilidades que lhes são cobradas, como essas pessoas viverão nesse mundo?


Um mundo onde até os cortadores de cana-de-açúcar estão sendo substituídos por máquinas potentes, computadorizadas, que são operadas por apenas um homem, que colhem muito mais do que dezenas de trabalhadores, onde trabalhará a mão de obra sem especialização?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha, e He…

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!!
Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra.
Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup. 
Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar. 
Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça!




Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito boa, porém vale…