Pular para o conteúdo principal

João Delfiol Construções

João Delfiol Construções

RETROSPECTIVA DO BLOG

Criado com o Padlet

Contos de fadas, salário digno e magistério


Sempre pensei o que seria um salário digno. Há o que diz a constituição a respeito do salário mínimo que “...capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim” (CF 1988, Cap.II, Art. 7°, item IV).

Só lendo isto, comparando com a realidade nacional, principalmente a nossa pessoal, temos a plena consciência que o salário mínimo pago atualmente não atende a todas as necessidades expressas na Lei.

Moro atualmente em uma cidade onde o aluguel de uma edícula de três minúsculos cômodos custa R$ 350,00. Uma despesa mínima para duas pessoas, sem supérfluos (iogurtes, frios e embutidos, doces e bolachas), sem carne, nem frutas, nem legumes, custa (dependendo do supermercado) R$ 280,00. Se esse mesmo casal trabalhar em um local que exija apenas uma condução, deve-se somar mais R$ 160,00 (valor de duas passagens de ônibus por dia para cada um deles). Já temos em nossas contas: R$ 790,00!!!

Tudo isso pra dizer a distância que há entre a lei e a realidade. Mas voltemos ao salário digno.

Recentemente assistimos na televisão, nos telejornais, a discussão do aumento de salários do Judiciário. Durante essas matérias, assisti uma fala do Senador Wellington Salgado (PMDB/MG), que definiu pra mim o que é um salário digno: R$ 26.000,00! É o que vão ganhar os Ministros do STF e membros do Ministério Público Federal. Na ocasião o citado parlamentar defendia o aumento para si mesmo e para seus pares.

Tenho quinze anos como professora e meu salário base é de: 954,79 até fevereiro desse ano. Depois há as gratificações, adicionais, mas vêm junto com isso os descontos: imposto de renda, contribuição previdenciária, assistência médica, sendo que essas deduções não são calculadas pelo salário base, mas pelo salário bruto.

No meu caso, tenho duas faculdade (ambas pagas), uma pós graduação pela Unicamp, inúmeros cursos de atualização que fiz em serviço ou fora dele. Há também casos de professores com mestrado, como meu marido. Também com duas faculdade, duas pós graduações, um mestrado, livro publicado.

Por que o salário digno do Senador Wellington Salgado não pode ser também o salário dos professores?

Somos permanentemente cobrados e culpabilizados pela mídia pelas mazelas da educação em nosso país. Por que no momento de falar do aumento de salário dos Ministros do STF a mídia também não relembrou a todos nós, como a justiça nesse país é demorada?

Enquanto a educação no Brasil não for prioridade de fato, não apenas no discurso, continuaremos a assistir a propaganda do MEC, clamando aos jovens que vão para o magistério. Continuará acontecendo o que aconteceu com uma faculdade de Santo André, como outras pelo país a fora, onde cursos de licenciatura foram fechados por falta de interessados.

Aquela propaganda mostrando uma professora bem vestida, animada, com os aluninhos comportadamente sentados em frente à escola, na escadaria, aguardando pacientemente a chegada da professorinha (cena típica dos álbuns de fotografias de 40 anos atrás ou mais!) vai continuar sendo inútil.

Acredito que a melhor (e a pior) propaganda acontece no boca a boca e no exemplo real. Os alunos (possíveis candidatos ao magistério) vivem a realidade, não em contos de fadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo

O QUE FAZ UM SUPERVISOR DE ENSINO?

Recentemente após certa postagem no facebook, duas respostas em tom de gracejo, me deixaram extremamente irritada! Ambas davam a entender,   que os profissionais, que atuam na Supervisão de Ensino não trabalham! Existe esta “lenda” na rede   estadual, onde se fala que é a “supervidão”.   Assim como falam, que quem trabalha nos núcleos pedagógicos não trabalha. Assim como falam, que o Diretor de Escola não faz nada. Assim como falam que o Coordenador não faz nada... e por aí vai. Já estive em outras funções, sei o quanto se trabalha! Mas não vou falar dos outros. Vamos tratar do cotidiano do Supervisor de Ensino, tentando esclarecer ao público, com palavras simples, o que realiza e quais as responsabilidades deste profissional, que é o mais alto cargo na carreira docente no magistério oficial do Estado de São Paulo. Claro que, em uma única postagem, não é possível, mas aos que quiserem saber mais, gostarem de ler legislação poderão ler o recente Decreto de reestruturação da