Pular para o conteúdo principal

Você sabe o que é intervenção?



          Não? Esta palavra é muito utilizada em muitas áreas atualmente, em Educação, Arte, Arquitetura...
Em Educação é comum ler nos Planos Escolares frases do tipo “preparar o aluno para ser capaz de intervir na realidade/sociedade.
Em Arquitetura se fala em fazer uma intervenção no prédio que não comprometa sua estrutura.
Mas o que é intervenção? Você já pesquisou no dicionário? Já ouviu esta palavra em outro contexto?
Segundo o dicionário Michaelis da Língua Portuguesa:
intervenção
in.ter.ven.ção
sf (lat interventione) 1 Ato ou efeito de intervir. 2 MedOperação. 3 Intercessão, mediação. 4 Ação direta do governo federal em um Estado da Federação. 5 Ação do governo ou de uma entidade oficial em uma associação.”
Veja que é utilizada com outros significados, em outros contextos, mas não falamos do significado de uma intervenção na Arte.
Segundo a Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais:

Tomando o significado do vocábulo intervenção - como ação sobre algo, que acarreta reações diretas ou indiretas; ato de se envolver em uma situação, para evitar ou incentivar que algo aconteça; alteração do estabelecido; interação, intermediação, interferência, incisão, contribuição - podemos destacar alguns aspectos que singularizam essa forma de arte: a relação entre a obra e o meio (espaço e público), a ação imediata sobre determinado tempo e lugar, o intuito de provocar reações e transformações no comportamento, concepções e percepções dos indivíduos, um componente de subversão ou questionamento das normas sociais, o engajamento com proposições políticas ou problemas sociais, a interrupção do curso normal das coisas através da surpresa, do humor, da ironia, da crítica, do estranhamento.” (Grifos meus)
Por que estou retomando estes conceitos? Você já deve ter visto, em suas caminhadas pelas ruas de sua cidade, intervenções em prédios, estátuas, placas. Algumas são somente pichações, mas outras nos levam a parar e observar a estátua ou prédio por um detalhe diferente, que não faz parte da obra. Este detalhe pode ter sido colocado ali intencionalmente, ou mesmo por brincadeira, mas intencional ou não, acaba nos “fisgando”, acabamos observando mais, até nos questionando: será Arte ou arte?
Em uma destas andanças pela cidade, vi as margens de uma estradinha, asfaltada, uma placa, que de longe não se percebia muita coisa, além do fato de ser uma placa de trânsito, cujo objetivo primeiro seria orientar o motorista. Mas qual não foi a minha surpresa ao chegar mais perto, verificar a intervenção de alguém, um anônimo, que provavelmente passa periodicamente por ali, lendo a orientação da placa, não encontrando nos arredores o espaço para realizar a manobra objeto da orientação, fez sua intervenção, questionou a palavra do outro, deixou ali registrado em papel, digitado com letras grandes, a pergunta instigadora: QUAL?
Com esta palavrinha conseguiu causar um estranhamento nos transeuntes, provocou reações, tanto assim que parei minha caminhada para ver o que havia naquele papel.




Referências:
Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais. Disponível em:< http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=8882>. Acesso em: 19 Jun.2012.
Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em:< http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php>. Acesso em: 19 Jun.2012.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

ENCCEJA 2017 – ELIMINAÇÃO DE MATÉRIAS – CONCLUSÃO ENSINO FUNDAMENTAL – CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO

Se este texto for útil para você, deixe seu comentário, dizendo se gostou, como encontrou este blog.

Se você precisa concluir o Ensino #Fundamental ou Ensino #Médio, não tem condições de frequentar a escola, tem 15  ou 18 anos, poderá se inscrever para as provas do #Encceja, que o MEC voltará a aplicar neste ano. Por meio desta prova você pode obter a #conclusão do Ensino Fundamental ou Ensino Médio, ou ainda, eliminar as matérias, nas quais conseguir acertar ao menos 50% das questões em cada área, inclusive na redação. Importante salientar, que a partir deste ano o #Enem deixará de servir para certificação do Ensino Médio, portanto se você precisa concluir o Ensino Médio aproveite e faça o #Encceja2017. Outra informação muito importante, para quem reside no Estado de São Paulo, é que após realizar a prova do encceja e não passar em todas as áreas, poderá procurar, a qualquer momento, um dos CEEJAS existentes. O CEEJA é uma Centro de Educação de Jovens e Adultos, que é um projeto, cuja fr…

Super heroína: minha mãe

Pela nossa vida procuramos modelos, ídolos, heróis com super poderes, mas não vemos os heróis e heroínas ao nosso redor. Quem são? Onde se escondem? O que fazem? Minha mãe é uma dessas pessoas: uma heroína! Por vários motivos, por isso falarei de alguns deles. Retirante, aos 19 anos, em uma viagem muito longa, com quase toda família, deixou o interior do Pernambuco, Serrita, veio para o interior do Paraná, Terra Rica, naquele tempo ainda distrito de Paranavaí, pequenina, ruas de terra, casas de madeira, o mato sendo desmatado. Vida dura, sem conforto! Casou-se aos 21, em um ano já tinha seu primeiro filho, enfrentava diariamente os desafios da primeira maternidade, os problemas com o marido, rude, mas trabalhador e honesto. Dois anos e pouco depois do primeiro filho, já tinha o segundo, mais dois anos, o terceiro filho, mais dois anos: eu nasci. Nesta época ela tinha dupla jornada: na roça trabalhando na enxada ao lado de meu pai (dos filhos pequenos) e quando chegava em casa, ainda tinh…