Pular para o conteúdo principal

Aposentadoria... reflexão necessária


Tenho um amigo, que se aposentou. Na verdade está aguardando a aposentadoria, mas já está afastado do trabalho. Resolveu, para não parar de vez, fazer uns cursos. Inscreveu-se em dois.
Durante uma conversa virtual a este respeito, ele foi tecendo comentários sobre nossa amizade, o tempo decorrido, o quanto tudo passou tão rápido. Chamou minha atenção o fato dele fazer as contas para a minha aposentadoria.
Se isto não bastasse, falou que o tempo que falta para a minha, passará rápido, que nem perceberei. Falou para eu me preparar. Mas como se preparar para a aposentadoria?
Eu mesma, durante algumas conversas, orientei-o a procurar fazer alguma coisa, não parar de vez, porque é uma pessoa muito dinâmica, portanto, acredito, não suportaria simplesmente colocar as pantufas, pijamas, ou a camiseta, bermuda, chinelões e “ficar de boa”.
E eu... o que farei quando isto acontecer? E você, que está lendo este texto, pensou a este respeito? Pensou na sua aposentadoria?
Não sei o que gostaria de fazer. Que tipo de ocupação teria. Tem algumas coisas que fiz ou gosto de fazer. Já fiz artesanato, antes de ter cursar faculdade. Pintei tecidos, guardanapos. Fiz crochê (ainda faço de vez em quando).
Além destas coisas, fiz outras para ajudar a pagar minhas contas. Fazia trabalhos escolares, quando isto nem estava na internet. Lia livros, fazia resumos, mesmo quando cursava a Faculdade.
Uma vez cheguei a fazer alguns cartazes de publicidade (rústicos) para divulgar uma campanha de uma creche onde havia trabalhado.
Ensinei uma tia minha a pintar guardanapos. Isto se tornou, por longo tempo, uma fonte de renda para ela. Ela se aprimorou, fez mais cursos de pintura, mas o princípio, o começo, o pontapé inicial fui eu aquela que abriu uma janela, ela visualizou portas!
Amo fotografar! Desde muito cedo venho registrando a História (assim com H maiúsculo) de minha família. Primeiro com uma câmera Kodak instamatic. Alguém mais teve esta maquininha? Rudimentar. De plástico. Igual uma caixinha toda preta, mas que fazia a mágica da fotografia. Nesta época tudo era muito difícil. Nossa família passava por grandes dificuldades financeiras, mas mesmo assim consegui comprar esta máquina fotográfica.
Mais tarde fui adquirindo outras, sempre simples, para leigos. Sempre fotografando minha família, meus amigos, viagens (no Brasil, claro).  Registrando o crescimento de meus irmãos mais novos. Aliás, de todos os irmãos, são os que tiveram a infância, adolescência e juventude mais fotografadas.
Um pouco deste amor pelas imagens passou para uma sobrinha, que tem um “feeling” para fotografia!!!
Este texto, na verdade, acho que é um esforço para eu me conhecer melhor. Saber do que gosto. Do que gostaria de fazer depois de minha aposentadoria.
Não sei... acho que ainda escreverei mais textos para analisar as possibilidades, me analisar, me conhecer.
Isto também é uma das coisas que gosto: escrever! Infelizmente esta não é das profissões mais bem remuneradas. Ninguém vira escritor de “best seller” da noite para o dia. Quantos não continuam no anonimato?
Se você também tiver estas preocupações, estas inquietações, me escreva. Compartilhe comigo... quem sabe não escreveremos um texto?




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

ENCCEJA 2017 – ELIMINAÇÃO DE MATÉRIAS – CONCLUSÃO ENSINO FUNDAMENTAL – CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO

Se este texto for útil para você, deixe seu comentário, dizendo se gostou, como encontrou este blog.

Se você precisa concluir o Ensino #Fundamental ou Ensino #Médio, não tem condições de frequentar a escola, tem 15  ou 18 anos, poderá se inscrever para as provas do #Encceja, que o MEC voltará a aplicar neste ano. Por meio desta prova você pode obter a #conclusão do Ensino Fundamental ou Ensino Médio, ou ainda, eliminar as matérias, nas quais conseguir acertar ao menos 50% das questões em cada área, inclusive na redação. Importante salientar, que a partir deste ano o #Enem deixará de servir para certificação do Ensino Médio, portanto se você precisa concluir o Ensino Médio aproveite e faça o #Encceja2017. Outra informação muito importante, para quem reside no Estado de São Paulo, é que após realizar a prova do encceja e não passar em todas as áreas, poderá procurar, a qualquer momento, um dos CEEJAS existentes. O CEEJA é uma Centro de Educação de Jovens e Adultos, que é um projeto, cuja fr…

Super heroína: minha mãe

Pela nossa vida procuramos modelos, ídolos, heróis com super poderes, mas não vemos os heróis e heroínas ao nosso redor. Quem são? Onde se escondem? O que fazem? Minha mãe é uma dessas pessoas: uma heroína! Por vários motivos, por isso falarei de alguns deles. Retirante, aos 19 anos, em uma viagem muito longa, com quase toda família, deixou o interior do Pernambuco, Serrita, veio para o interior do Paraná, Terra Rica, naquele tempo ainda distrito de Paranavaí, pequenina, ruas de terra, casas de madeira, o mato sendo desmatado. Vida dura, sem conforto! Casou-se aos 21, em um ano já tinha seu primeiro filho, enfrentava diariamente os desafios da primeira maternidade, os problemas com o marido, rude, mas trabalhador e honesto. Dois anos e pouco depois do primeiro filho, já tinha o segundo, mais dois anos, o terceiro filho, mais dois anos: eu nasci. Nesta época ela tinha dupla jornada: na roça trabalhando na enxada ao lado de meu pai (dos filhos pequenos) e quando chegava em casa, ainda tinh…