IMPOSTÔMETRO

João Delfiol Construções

João Delfiol Construções

RETROSPECTIVA DO BLOG

Criado com o Padlet

Postagem em destaque

Incoerências da (IN)justiça

  Entrei, há algum tempo, com um processo judicial para ter reconhecido o direito à aposentadoria especial como professor. Sou professora de...

Resposta à professora indelicada

 

Tem gente que acha que vida de professor é fácil. Ouvia, antes mesmo de iniciar minha vida profissional, que ser professora seria muito bom. Trabalharia só meio período. Teria tempo para fazer outras coisas.

Iniciei minha carreira profissional com poucas aulas. Morando em um Estado e trabalhando em outro. Atravessando um rio de balsa todos os dias. Isto eu que tenho paúra de água em grande, enorme quantidade. Tive que vencer este medo!

Não foi só isso. Poucas aulas. Ganhava pouco. Precisava ajudar minha família. Pagar ônibus. Se pagasse ônibus de linha para ir e vir, claro, não me sobraria muita coisa. Dormi de favor em casa de parentes. Em uma república com pessoas, que mal conhecia, mas que foram muito generosas comigo.  Pegava caronas pra voltar pra casa e economizar dinheiro! Sorte que um amigo, cursou faculdade mais ou menos na mesma época, também professor da mesma disciplina, pegava carona comigo, assim eu me sentia mais segura. Caronas com caminhões de fazendas. Caminhões de boi. Caminhões, que levavam caixões de defuntos. Com vendedores, que atravessavam entre um Estado e outro para também ganhar o pão de cada dia.

Um pouco mais tarde nos mudamos de uma cidade pequenina para uma cidade centenas de vezes maior. Fui lecionar onde? No centro? Claro que não! Na periferia. Em uma escola  próxima a várias favelas! Passamos por momentos de muito medo! Toque de recolher no bairro imposto por bandidos. Todos nós indo pra casa com medo, alunos aterrorizados! Também vivenciei situações de medo dentro da escola, como certa vez, lecionando no noturno e, do nada, um policial abriu a porta da minha sala e com arma, fuzil, em mãos olha pela sala como se estivesse procurando alguém.

Vimos, certa vez, um aluno que, ao tentar ir embora, após o término das aulas não pode sair da escola, porque a “favela” baixou na escola! Não sei o que ele fez, mas ele só não foi morto, porque uma funcionária fechou os portões e trouxe-o de volta para dentro. Como fomos embora? Em comboio de carros de professores. Que não tinha carro, meu caso na época, pegava carona. Ninguém saiu só! Todos ficaram até todas as portas da escola estarem fechadas e todos saímos juntos!

Fácil ser professor, né?

Quando era professora contratada, pensava, sonhava em me efetivar! Pensava, que os finais de ano apreensiva e com receio de perder as aulas, o emprego, passaria. Por um bom tempo não tive mais esta preocupação. Me efetivei! Fui muito bem classificada no concurso, que prestei. Escolhi a escola, onde já trabalhava, razoavelmente perto de casa.

Cheguei a ver professores chorando no final do ano por não saber se no ano seguinte teriam emprego! Todo final de ano era isto! A maioria de nós era contratada!

Agora, neste ano, quando teria tempo e idade para me aposentar... uma rasteira dos governos! Não vou me aposentar! “Ganhei” mais anos para trabalhar! Não que não goste de trabalhar, gosto.

Já há alguns anos docentes como eu, afastados na mesma secretaria, atuando em atividades relacionadas ao magistério não têm aulas atribuídas. Tem ano que sim. Tem ano que não. Dependemos de quem está no governo e quais as intenções destes! Todo final de ano ficamos sem saber como será nossa vida!

Neste ano não foi diferente. Em um dia íamos ter aulas atribuídas. No dia seguinte? Não mais! O que isto significa? Uma razoável possibilidade de, caso eu retorne para a escola, não tenha aulas. Alguém pode ter ampliado sua jornada com elas. Para eu vir para a escola onde estou passei por muita, muita, muita coisa! Nada me veio sem muito estudo, sem muito esforço, sem muito, muito trabalho! Muitas horas extras feitas e nunca recebidas! Não ganhei a vaga no concurso público por indicação de político nenhum! Nunca fui apadrinhada por ninguém! Nem queria ser! São cerca de vinte e sete anos de trabalho árduo! Foram 11 anos de educação básica. 6 anos, duas faculdades CURSADAS PRESENCIALMENTE! Foram duas pós graduações cursadas! Estou na terceira! Cursos de curta duração? Tenho uma pasta preta cheia de certificados destes cursos de atualização. Fora os muitos que fiz, que não foram certificados, por ocorrerem em horário de trabalho, os chamados cursos de formação em serviço.

Ah, não nos esqueçamos dos diversos concursos públicos, que prestei e passei! Os dois últimos com excelente classificação!

Para a professora indelicada, que acha que só se trabalha se estiver em sala de aula... sinto muito desagradá-la, mas se trabalha, e muito fora dela também! O Diretor da escola trabalha muito para que os professores tenham uma escola bem cuidada, que não sejam incomodados durante suas aulas, que tenham materiais didáticos e pedagógicos, mesmo em tempos de vacas magras! O coordenador? Ah, este também trabalha e muito! Trabalha inclusive para providenciar os materiais que, você, professora, as vezes, solicita de última hora para usar na sua aula. O secretário da escola? Este também trabalha e muito! Trabalha para que seu pagamento não atrase! Para que sua vida funcional esteja em ordem! Para que você possa receber vantagens previstas em lei, mas que não aparecem no seu holerite por um toque de varinha mágica! Não, não é o sistema que faz seu pagamento! São pessoas! São profissionais!

Todos estes, muitos mais, estão fora da sala de aula, mas dando todo um amparo e apoio para que o seu trabalho, professora indelicada, possa acontecer!

Estes profissionais, todos eles, que ficam “nos bastidores” MERECEM RESPEITO!

Eu também Professora com carteirinha do MEC, só para você ver, que não comecei agora... TAMBÉM MEREÇO RESPEITO!

Professora indelicada, meça suas palavras!

Respeito é bom! E eu gosto!

Nenhum comentário:

Você também poderá gostar de...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...