Pular para o conteúdo principal

Sobre o medo

Não me lembro muito de meus medos de criança. Acho que não os tinha! Morava no interior, em uma jovem cidade, onde todo mundo se conhecia. Por muitos anos morei lá. Morávamos em modestas casas de madeira, onde se fechavam portas e janelas com “tramelas”. O que é uma “tramela”? Um retângulo de madeira, com um prego no meio, afixado próximo à janela, que servia para fechá-la.
Por que falar de medo?
Porque me incomoda muito ver uma menininha de nove anos, falando que tem medo! Medo que as pessoas que ama morram. Medo que alguém assalte a casa, onde mora com sua família.
Não são os medos infantis! Não são aqueles medos, que provavelmente muitas crianças já tiveram. Medo do escuro. Medo do bicho papão. Medo do homem do saco. Medo de se perder de seus pais.
Os medos desta menininha de olhar doce, fala mansa, meiguice nos gestos, coração cheio de amor, são medos frutos desta sociedade, que publica diariamente o horror, que estamos vivendo. Este horror não está mais restrito às grandes cidades, capitais.
A violência invadiu o País inteiro!
Vemos, nas notícias, os jovens sendo mortos nas portas de suas casas, porque não quiseram entregar um celular ou porque não tinham o que entregar.
Vemos jovens morrendo em vida ao serem seduzidos pelo uso de pesadas drogas ilícitas.
Vemos, nas notícias, bancos sendo explodidos de norte a sul do País. Não estou falando só das grandes cidades. As pequenas, do interior, antes tranquilas, redutos de pessoas, que também levavam uma vida tranquila, sem sobressaltos. Pessoas que deixavam suas janelas abertas até durante a noite!
E o que se faz sobre isto? Se mostram estatísticas! Estatísticas! Números! O quanto a violência diminuiu no primeiro bimestre, no segundo trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado!
É nisto que as pessoas se transformam! Somente números! Deixam de ser pessoas, seres humanos, seres com sentimentos, sonhos, objetivos, planos, para se tornaram um número! Um número frio. Um número que destitui a pessoa de toda sua humanidade. Um número que rouba da pessoa sua essência, sua vida, sua alma.
E assim vamos nós. Vivendo cada dia. Nos acostumando. Nos acostumando a ver a violência. Nos acostumando a ver as crianças perdendo a infância e a inocência desta fase. Nos acostumando a ver o anormal ser normalizado por outras pessoas... será que podemos chamá-las assim?
Não! Não me acostumo com isto! Não me acostumarei a ouvir aquela doce menininha falando de medos adultos. Não me acostumarei a ouvir uma criança contar do pavor de ter sua casa invadida por estranhos! Não me acostumarei!

Créditos das imagens:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo