Pular para o conteúdo principal

Minha primeira vez... em um Salão Internacional de Fotografia

Tentamos sempre registrar em nossa memória momentos, que nos impressionaram, ou ainda que aconteceram pela primeira vez. Destes que esperamos por muito tempo. É assim quando terminamos nossa primeira faculdade. Quando conseguimos comprar nossa casa. Quando nasce nosso primeiro sobrinho. Quando nos casamos. Quando se casam nossos irmãos caçulas.
Algumas vezes me inscrevi em concursos fotográficos, concursos literários. Nos dois últimos anos, devido a correria do trabalho, acabei não participando muito destes eventos. Há uns vinte dias resolvi me inscrever em mais um, às vésperas de encerrarem as inscrições para o Salão Internacional de Jaú, corri para mandar imprimir as fotos escolhidas, fui ao correio no meu horário de almoço. Enviei algumas fotos, de acordo com o regulamento do Salão.
Não fiquei ansiosa, procurando os resultados, como em outros concursos.
Um amigo postou o resultado no Facebook. Uma foto de minha autoria foi aceita para o Salão. Fiquei muito, muito feliz! Por ser um Salão Internacional e renomado. Por ter sido informada a seleção criteriosa feita pelo Presidente do Foto Clube.
Não esperei muito para me dirigir até Jaú e conferir a Exposição. Foi montada em um amplo espaço, muito claro, de muita circulação, onde todos poderiam ver todas as fotos. As fotos cuidadosamente embaladas em acrílicos para protegê-las de dedos e mãos, mas à mostra para olhos, mente e coração.
Embebi meus olhos e minha alma com belíssimas imagens, algumas mais elaboradas, aparentemente manipuladas em programa de computador, mas não menos belas. Fotos tiradas em diversas cidades brasileiras, de muitos outros países, onde se veem as peculiaridades de cada local e o recorte feito pelas máquinas potentes de nosso corpo: olho e cérebro. Um certo enquadramento. Um tipo especial de luminosidade. Um colorido diferente. Monocromáticas poéticas e oníricas. Uma mulher pensativa em uma escada. Crianças correndo por uma ponte. Um senhor idoso com olhar perdido no horizonte que não se vê. Aves belíssimas clicadas por um certo casal jauense. Capelinhas esquecidas em algum lugar do Brasil. Não. Não me lembro de tudo que vi. São inúmeras. Somente indo até lá e vendo com seus próprios olhos. Mais que olhar, sentir.

Para você, que talvez não tenha oportunidade de ir até o Shopping de Jaú, deixo algumas fotos. Espero que goste. Ah, tem, entre elas, minha foto. Pela primeira vez senti a emoção de ser aceita em um grande Salão e de participar de algo grandioso. 
Abaixo fotos do 50º Salão Jauense Internacional de Fotografia.









Capelinha Esquecida - Mary Delfiol

Foto do Paulo Guerra


Foto do pássaro - Fotógrafa Edilene Guerra


Comentários

Mada Ponce disse…
Parabéns pelo belíssimo texto e pela sensibilidade presente em suas palavras e imagens! Sua foto é belíssima!
catléia disse…
Mada, muito obrigada pelo seu comentário e pelas palavras de incentivo!

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo