Pular para o conteúdo principal

A folha em branco


A folha em branco. No meu caso a folha virtual, na tela do meu PC, esperando pacientemente para ser preenchida. Mas preencher com o quê? De onde vêm as ideias? Como começamos a escrever um texto? De onde os escritores tiram a inspiração para suas criações?
Todos eles, os escritores, já se depararam, em algum momento do seu processo criativo, com uma folha em branco, com a falta de inspiração para redigir uma crônica, um conto, um romance.
Muitos deles já escreveram a respeito disto. Da inspiração. Das ideias. Em alguns casos, a inspiração vem da observação atenta do cotidiano, o homem observando o homem. O homem comum, que pega ônibus, que trabalha, que chora, que torce pelo seu time, este homem que anonimamente faz histórias diárias, sejam elas tristes ou alegres. Histórias que viram crônicas!
Há aqueles escritores que fazem da História inspiração para a escrita de romances, ficção científica. Vejam o Saramago, que usa nas suas histórias ficcionais personagens da História. Lembram do Memorial do Convento e do Frei Bartolomeu de Gusmão e sua Passarola?
Há aqueles, como Gabriel García Márquez, que obtiveram a inspiração nas histórias e pessoas da própria família, confissão feita pelo autor no livro “Viver para contar”, no qual relata histórias familiares e personagens  que o inspiraram. Segundo Márquez, este deveria ter sido seu primeiro livro!
E João Cabral de Melo Neto, que em um depoimento, disse que imaginava que quando se aposentasse teria mais tempo para escrever, porque escrevia nos intervalos, mas que percebeu, ao se aposentar, quando todas as horas ficaram vagas, não tinha mais estímulo para escrever!
Cada um a seu modo, nutria sua arte de alguma forma: dos acontecimentos do cotidiano, das histórias de família, da criatividade “espremida” que brotava na falta de tempo.
Todos os escritores, inclusive estes que citei, com certeza algum dia ficaram inertes olhando uma folha em branco e pensando no que escreveriam. Isto tem até um nome: síndrome da folha em branco!
Sentei-me diante da tela do meu netbook, comecei este texto “A folha em branco” sem saber muito bem para onde iria... Mas ao escrever a primeira frase, em seguida o parágrafo todo, questionando, perguntando, elas, as perguntas, foram burilando minha mente, minhas lembranças de leituras foram aflorando, como que saindo magicamente de uma caixa até então fechada!
É assim, das nossas vivências, das nossas histórias, das nossas leituras, preenchemos a folha em branco do netbook, a folha em branco da redação solicitada pelo professor. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo