Pular para o conteúdo principal

O que são nossas lembranças? Imagens? Sons? Cheiros?


Há memórias que são ativadas por cheiros, sons, imagens, músicas, sabores. Todos temos esta capacidade de ativar com uma destas sensações memórias há muito esquecidas, que a um simples toque, um cheiro que toca seu nariz, entra pelas narinas, vai até o cérebro e pronto, se fez a mágica! Surge aquele imagem nítida de algo vivido há pouco ou muito tempo. Neste momento se fecharmos os olhos, poderemos sentir tudo que envolveu aquele momento: o vento, o perfume, o arrepio, o toque, a música.
Também sinto isto! Há pouco ouvia uma música, antiga, “Moendo café”, que me trouxe lembranças especiais. Quando criança em uma festa da escola, acho que do folclore, dancei esta música vestida com um vestido marrom e com delicadas flores amarelas, um chapéu de palha, uma peneira enfeitada com fitas amarelas, ao som desta música, eu e mais várias colegas de turma desenvolvíamos uma coreografia que tinha a ver com a música, com a história do Estado do Paraná, e de minha cidade natal, a cultura do café, que por décadas foi o ouro de nosso Estado.
E os gostos? Quando criança comia sempre com um fio de azeite, o que mantenho até hoje, mas o gosto do azeite, aquele da infância, o cheiro dele... não são os mesmos de agora! O que mudou? Não sei.
E o cheiro? Moramos por um tempo em uma chácara, onde havia várias mangueiras atrás da casa, que faziam uma deliciosa sombra, que amainava o calor escaldante do verão terrariquense, mas o cheiro das mangas maduras então... manga manteiga, manga espada. Nunca esqueci!
As imagens então... são tantas! Na mesma cidade, para irmos à chácara de um tio, passávamos por uma estrada de terra comprida, ladeada de pequenas propriedades, mas uma delas era especial, chamava muito minha atenção. Era a chácara Primavera. No portão de entrada havia um enorme pé de primavera, que subiu sobre um tablado de madeira. Mas não era isto que me encantava! Diante da casa, que ficava mais no fundo da propriedade, havia um jardim com cogumelos pintados de vermelho com bolinhas brancas, os anões da branca de neve, se não me engano. Eu achava aquilo lindo! Aqueles cogumelos bem vermelhos se destacavam no gramado verde! Parecia um outro mundo, um mundo de faz de conta, um mundo mágico.
São tantas sensações, imagens, cheiros... com certeza você, leitor, tem os seus. Talvez neste exato momento esteja relembrando-os ao ler este texto. Se estiver, aproveite!
  

Comentários

Ivan Leite disse…
A memória que os cinco sentidos nos proporciona é sempre uma grande felicidade!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha, e He…

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!!
Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra.
Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup. 
Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar. 
Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça!




Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito boa, porém vale…