Pular para o conteúdo principal

Informática e inclusão digital

Trabalhei muitos anos na Grande São Paulo. Vivi muitos anos lá também. Nos últimos anos vimos uma crescente utilização da Informática, a popularização dos computadores, da internet, ao acesso à web. Em geral, a maioria das pessoas de nossas relações, professores, diretores, coordenadores usando o PC para realizar atividades profissionais, para seu lazer, enfim se apropriaram destas tecnologias.
Vimos também a facilidade do acesso, mesmo para quem não tem o computador em casa, nas lan louses espalhadas nos centros da cidade e nos bairros mais afastados. Nos shoppings há cartazes avisando a possibilidade de acesso à internet gratuitamente, bastando para isto portar um notebook ou um netbook (computador portátil de dimensões bem menores do que o notebook) com sistema wirelless (rede de internet sem fio).
Saímos da Grande São Paulo, mudamos para uma cidade do interior, de médio porte, uma das maiores de sua região. Imaginávamos que aqui a informática e seus recursos também estivessem popularizados, mais disseminados entre a população. Ledo engano!
Já percebemos nas escolas esta nova realidade! São poucos os professores que têm intimidade com o computador, mesmo havendo o equipamento à disposição deles, com conexão à internet, enviado às escolas em 2007/8 em um programa governamental.
Somente isto já nos daria um indicador...
E entre a população mais carente? Como estaria este acesso?
Aqui ainda são muito populares outros meios de comunicação, que atingem esta faixa da população.
É comum vermos pelas ruas um carro de som, que comunica aos moradores o falecimento de alguém, local do velório, convidando conhecidos para a cerimônia.
Isto me lembrou muito a cidade de minha infância e juventude, onde este tipo de informação era veiculada em um sistema de alto-falantes instalado na avenida principal, mais tarde passou a ser feita pela pequena Rádio.
O rádio... este aqui ainda é muito popular, tanto que quando as pessoas querem reclamar, chamar a atenção para algum problema na sua rua, no seu bairro, vão até uma das poucas rádios existentes aqui, “colocam a boca no trombone!”
Quando uma instituição, escola, igreja, prefeitura, quer também informar a maioria dos habitantes, utiliza os microfones de uma delas, porque com certeza o público alvo, sem acesso à net, vai ouvir, vai receber a informação.
Bem... a internet popularizada? O PC freqüentando o cotidiano como faz a televisão?
Meus caros, ainda não é realidade aqui! A inclusão digital tão falada pela mídia está longe de acontecer!  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo