Pular para o conteúdo principal

Compras de Natal e consumo consciente


Final de ano, Natal, presentes, dinheiro curto e necessidade de esticar o salário, conseguido com tanto suor e lágrimas! 
Natal é uma daquelas datas, cujo apelo ao consumo pela mídia e pelo comércio é muito forte, o que pode nos trazer problemas, pois nos incita a um consumo desenfreado, muitas vezes a realizar compras por impulso, que mais tarde nos trarão problemas financeiros e arrependimentos. Quem já não comprou uma roupa que amou, mas não usou? Quem já não foi seduzido por um sapato belíssimo, da cor da moda, mas que não era confortável, não combinava com seu estilo, muito menos com as roupas que você tem no armário? Quem já não comprou aparelhos eletrônicos e percebeu, depois, que eram obsoletos? Ou que tinham algum problema?
Se você costuma frequentar aquela rua famosa de São Paulo, onde o forte é o comércio de materiais de informática e eletro-eletrônicos, precisa tomar alguns cuidados, afinal, acredito que, assim como eu, há pessoas que têm histórias de itens comprados lá e que não funcionaram ou que causaram dores de cabeça ao comprador. 
Tenho algumas destas histórias... infelizmente!
Há algum tempo atrás, final de ano, viagem programada, máquina fotográfica nova, precisando de mais uma bateria para usar, enquanto a outra estivesse descarregada, fomos até a famosa rua. Após andar bastante, pesquisar, encontramos uma loja (não era camelô!) de rua, regularizada, após alguma negociação, comprei a bateria, que, segundo o vendedor e o dono da loja, era original. A embalagem igualzinha à original, lacrada, até com aquele selo holográfico, enfim, tudo levava a crer na autenticidade do produto. Paguei R$ 120,00. Feliz com a compra, viajamos... Logo que fui usá-la, a muitos quilômetros de distância de São Paulo, a surpresa: minha máquina, esta sim ORIGINAL, rejeitou a bateria "original". Conclusão: um gasto perdido. Ela se encontra jogada em uma das gavetas de minha casa. Não tive como trocá-la, porque já havia passado o tempo pra troca...
Disse que tinha histórias sobre esta rua. Tenho mais uma! Recentemente estive lá, correndo, com pressa, de passagem, resolvi comprar um pen drive para presente (que acabou ficando para mim). Novamente procurei uma loja de rua, pois evito comprar coisas de camelôs. Como sempre faço, pesquisei em várias lojas (de rua), até que achei uma, que fica em uma das galerias, das muitas existentes lá, comprei o pen drive. Adivinha?...
Não funciona perfeitamente, pois não é reconhecido por alguns programas, e em outros casos, o antivirus o reconhece como uma ameaça e bloqueia o acesso às informações salvas nele. Logo na primeira tentativa de utilização tive problemas, mandei um torpedo para meu irmão, muito mais entendido em informática (dos problemas desta tecnologia também) do que eu, que me aconselhou a formatar o pen drive antes de usá-lo. Fiz isto. Mas... surpresaaaaa! Não resolveu totalmente o problema. Enfim gastei R$ 50,00 achando que estava fazendo uma boa compra, entretanto fiquei com um objeto que não servirá pra nada!
Já fiz boas compras nesta rua, há alguns anos atrás, uns quatro, mas minhas últimas experiências foram frustrantes.
Se você for comprar produtos nesta citada rua, tome muitos cuidados: 
- solicitar a nota fiscal, pois ela é sua garantia se tiver problemas e precisar trocar o produto;
- compre em lojas regularizadas, pois estas têm a obrigação de fornecer a nota fiscal, caso isto não aconteça, cobre no ato da compra;
- pergunte quanto tempo dura a garantia do produto, anote em um papel e anexe à nota fiscal;
- quanto tempo tem para trocar o produto em caso de defeitos;
- ainda neste último caso é importante lembrar de perguntar, ter por escrito (Manual de orientações/assistência técnica) se há assistência técnica para o produto, a lista destes prestadores de serviços;
- peça para o vendedor testar o produto na sua frente.
Além destas dicas básicas vale relembrar que a NOTA FISCAL é sua única garantia para troca de produtos em caso de defeitos de fabricação, dentro dos prazos estabelecidos pelo Código de Defesa do Consumidor.
Outra boa dica é informar-se a respeito dos seus direitos como consumidor, desta forma fará suas compras com mais consciência, poderá cobrar, com firmeza e convicção, o respeito aos seus direitos expressos no Código.
Dito isto, só me resta desejar: boas compras!!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos. Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio. Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Nat

HISTÓRIA DE ANA ROSA

Você já ouviu a música sertaneja de Tião Carreiro e Carreirinho intitulada "Ana Rosa"? Se ouviu conhece a história dessa mulher. Se não ouviu, farei um resumo da história. Ana Rosa morava em Avaré, cidade próxima a Botucatu. Como muitas jovens de sua época casou-se cedo, pois havia se apaixonado por Francisco de Carvalho Bastos, mais conhecido como Chicuta, que era muito ciumento, por isso trazia a esposa sob constante vigilância. Homem dos idos de 1880, muito machista, começou a maltratar a mulher, tanto moral quanto fisicamente. Até que um dia a jovem esposa cansou de tanto sofrer, fugiu para Botucatu, refugiando-se em um cabaré de uma mulher chamada Fortunata Jesuína de Melo. Quando o marido chegou em casa e não encontrou a mulher, ficou cego de ciúmes, procurou-a por todos os lados, até que soube que ela havia fugido e para onde havia ido. Mais do que depressa ele se dirigiu para Botucatu, onde chegou e contratou José Antonio da Silva Costa, mais conhecido por Costinha,

STAROUP: propagandas, história e futuro da marca

Você se lembra desta marca? Sabe de qual produto? Não?????!!!!!! Pois bem... vou refrescar a memória daqueles que estão nos "enta", dos mais jovens que nunca ouviram esta palavra. Quando eu era adolescente, o que não faz muito tempo, o jeans, que mais se ouvia falar, cujas propagandas eram inteligentíssimas, bem feitas, ainda por cima engajadas, eram da Staroup.  Uma delas foi premiada internacionalmente, porque mostrava o engajamento dos jovens, que eram ousados, corajosos, lutavam contra o regime da época: a Ditadura Militar.  Esta propaganda, famosíssima, ganhadora do Leão de Ouro em Cannes, foi pensada, pelo não menos famoso, Washington Olivetto, da Agência W. Brasil. Quer conhecê-la? Acesse e conheça! Além deste premiado, há outros. Há o comercial abaixo, que mostra a então adolescente, Viviane Pasmanter, no papel da gordinha, que quer usar um jeans da Staroup e faz uma verdadeira maratona para conseguir alcançar seu objetivo. A qualidade do vídeo não é muito bo