Iluminação na fotografia

Esta semana, mais uma vez participei de uma oficina do Projeto Pontos MIS. O foco desta vez foi tratar sobre o papel da iluminação na fotografia.
Neste texto vou abordar alguns aspectos da oficina, que contribuíram para o aprendizado dos conceitos explicados pela Prof.ª Bete Savioli.
Primeiro, claro, a Professora, que é excelente especialista no assunto, trabalha na área. Professora de fotografia na USP, câmpus Maria Antonia. Trabalha com fotografia profissionalmente.
Segundo aspecto, ainda relacionado à docente, uma aula preparada com materiais visuais, que foram complementados com as explicações dela, que ampliavam a apresentação dos conceitos, bem como com a participação dos alunos.
Um terceiro aspecto, que contribui para o sucesso e aproveitamento dos alunos, é que todos estavam lá, porque gostam e se interessam por fotografia! Não pensem vocês que todos tinham mesmo nível de conhecimento, nem a mesma idade. Em geral, por serem oficinas abertas ao público, ele é sempre bem variado e com pessoas de todas as idades e níveis de conhecimento. Há alunos adolescentes, jovens, adultos, terceira idade! Destes há aqueles que vão, mas nem têm máquina fotográfica, porém querem aprender e desvendar as novas tecnologias fotográficas, as máquinas digitais. Há também aqueles que fotografam por hobby, mas que já fizeram outros cursos, participaram de outras oficinas, já usam um equipamento fotográfico profissional ou semiprofissional. Mesmo com um público tão diverso as aulas ocorrem sem sobressaltos, o respeito entre os alunos é presente o tempo todo, bem como do Professor, que vai explicando, tirando as dúvidas à medida que elas aparecem.
Nestas oficinas há uma parte teórica, depois a parte prática. Desta vez não foi diferente. Após as explanações da professora, de análises de imagens, nas quais observávamos as diferentes iluminações utilizadas e o efeito conseguido pelo fotógrafo, fomos desafiados a fotografar um objeto, na própria sala, com três tipos de iluminação diferentes. Depois deveríamos sair fora do prédio e, lá fora, com a iluminação do ambiente e os recursos da máquina, também realizar fotografias com iluminações diferentes.
Um ponto importante que, para os que não tinham ou não levaram equipamento, foram oferecidas algumas máquinas digitais comuns, mas que cumpriram seu papel. Utilizei uma destas, pois saí do trabalho, fui direto para a aula, quando saí de casa, nem me passou pela cabeça colocar uma máquina na bolsa, mas isto foi bom, pois usei uma máquina sem muitos recursos, bem diferente da minha.
Após as tarefas terem sido realizadas por todos, retornamos à sala, onde todas as fotos foram carregadas no computador e foram exibidas para todos. Este momento é muito interessante, pois temos a oportunidade de ver as opções de cada um, qual objeto escolheram, que tipo de iluminação utilizaram. O grupo se utilizou de tudo que estava à mão: materiais pessoais, como óculos, caneta, celular; objetos da sala: mouse, mesa do café, jarra de vidro com água, cadeira, luminária, bolachas... enfim cada um se utilizou de sua capacidade de observação e criatividade para transformar um objeto simples em um objeto diferenciado, por meio das escolhas feitas.
Desta oficina, pode parecer chavão, mas vou relembrar, para encerrar o texto, um conceito bem popular da fotografia, que é “fotografar é escrever com a luz!”.

Abaixo algumas fotos feitas por mim durante a oficina.






























Comentários