Simplicidade e diamantes

Conheço, de perto, a história de uma jovem, nascida de família humilde, trabalhadores em lavouras como diaristas, moradores de zona rural. Pai, mãe, em casa, duas filhas, uma filha casa. Destas três, uma delas, a mais nova, após o término do ensino médio em escola pública, resolveu cursar uma faculdade.
As duas irmãs mais velhas, por circunstâncias da vida, não estudaram além do ensino médio. Uma delas se casou bem cedo.
O que mais há de interessante nesta história? Muita coisa, que irei relatando a vocês, que estão, neste momento, lendo minhas (nossas) palavras.
Além de morar em uma pequena propriedade rural, a mesma bem distante da cidade, cerca de mais de vinte quilômetros. Nas cidades próximas só vão nas ocasiões de compras para a casa. Uma vez por ano, ou menos, a família viaja ao Estado de São Paulo visitar os parentes.
Devem estar curiosos! Como era a moça? Uma moça de interior. Se veste com simplicidade, tímida, comum. Não chama a atenção! Não é de ficar reunida com um grupo de amigas rindo e falando ruidosamente pelas ruas da cidade, nem de ficar saindo sozinha. Por ser a mais jovem das filhas, claro, foi bem mimada.
Imaginem esta mocinha, que tinha como primeira opção cursar Geografia. Na faculdade, onde foi estudar, não tinha o curso desejado, então resolveu prestar vestibular para um curso da área de informática, análise de sistemas, se não me engano. Uma informação adicional, até bem pouco tempo não havia computador na residência dos pais, afinal ninguém sabia usar.
Por que relato tudo isto? Para que vejam o cenário desta mocinha.
Vocês devem estar pensando, que com uma história assim, deve ter começado o curso e desistido, claro, afinal não teria intimidade com computador, internet, línguas informáticas.
Ela prestou o vestibular. Passou. Iniciou o curso. Imaginem esta jovenzinha chegando ao campus de uma Universidade, grande, com várias unidades no Estado, com jovens de todos os tipos, em sua maioria, totalmente urbanos. Os professores habituados com este público.
Ela iniciou seu curso, foi estudando, como era de seu feitio, dedicando-se muito. Esta dedicação deu seus frutos! Destaque como melhor aluna do curso! Aluna nota 10. Menção criada pela Universidade para valorizar os melhores alunos.
Certo dia ouviu de um dos professores, que quando a viram em sala de aula, tímida, bem diferente dos outros jovens, oriunda da zona rural, que ela não duraria nem três meses na instituição!
Ela está terminando o curso este ano. Cheia de planos para o futuro! Cursar uma pós, um mestrado!
Este momento, de início de ano, de planejamento nas escolas, de recebimento dos alunos, muitos deles desconhecidos de todos os docentes e dos demais profissionais das escolas. Quantos deles não serão como ela?
Trabalhei com uma Diretora, que dizia aos professores, que na Escola todos estavam lapidando diamantes!

Quantos deles não são diamantes brutos esperando a lapidação paciente e atenta dos Professores, Coordenadores, Diretores e Funcionários?

Comentários