Visita à Pinacoteca: minhas impressões

Estive novamente na Pinacoteca, visitando e revisitando obras, espaços. Fotografei peças, pessoas, luminosidades.
Muitas coisas me chamaram a atenção, pois permaneci, visitando as exposições, por várias horas. Observei muito, fui registrando em imagens algumas destas coisas.
As obras estão estrategicamente colocadas, em alguns casos, aproveitando a luz natural do ambiente, que é refletida por vidros, seja no teto, nas janelas, portas. 
Observei o movimento das pessoas, adultos e crianças, pelos amplos espaços e a observação que faziam do que estava sendo visto. As crianças viam, paravam para observar, curtir, uma obra muito colorida, que esguicha água por vários orifícios. Esta obra colorida fica próxima ao elevador. Ela é composta de várias mulheres rechonchudas e com roupas muito coloridas. É intitulada Fonte das Nanás, 1974, da artista plástica Niki de Saint Phalle. Várias crianças paravam ao lado dela, subiam no patamar que a rodeia, ficavam com os olhinhos grudados nela.
Já para os adultos era mais difícil, ao menos para mim, verificar as predileções por esta ou aquela, pois passeavam por todos os espaços, tiravam fotos da obra, postando-se ao lado dela, enfim fazendo inúmeros registros.
Falando em registros, a fotografia, neste dia, foi uma das coisas que também me chamaram a atenção. Vi inúmeras pessoas com máquinas fotográficas digitais compactas, semiprofissionais, profissionais, celulares. Isto mostra o quanto a fotografia se popularizou. Arrisco a dizer que estamos vivendo a era da imagem, mais até do que da palavra. 
Também verifiquei a diversidade de públicos no Museu, pois é um local de fácil acesso, ao lado da Estação da Luz, centro de São Paulo, também perto do Museu da Nossa Língua Portuguesa. Além da proximidade de outros museus, aos sábados a visitação é gratuita, o que também contribui para a ampliação da visitação. 
Além das obras no interior da Pinacoteca há diversas delas espalhadas pelo Jardim da Luz. Entre elas há algumas de Victor Brecheret e de diversos outros artistas também, todas identificadas. 
Além das obras de arte expostas a natureza do Jardim é um show à parte. Tem uma diversidade de árvores, que deixam o ambiente muito mais gostoso. As pessoas caminham, observam as esculturas e as plantas, há aqueles que leem, conversam, tomam sorvete. 
Cada vez que retorno à Pinacoteca sempre percebo detalhes, que não tinha observado antes. Um destes detalhes, que observei desta vez, é que existem reproduções de algumas obras famosas, feitas por artistas brasileiros, mas todas identificadas como reproduções.
Abaixo fotos que mostram um pouco do que contei!



























Comentários