Pular para o conteúdo principal

Mais umas palavrinhas sobre os ipês...


Recentemente escrevi um texto, que postei aqui no blog, falando da beleza dos ipês, que florescem nesta época do ano, no finzinho do outono e começo do inverno.
As árvores se renovam, perdem todas as folhas, ficam parecendo mortas, decrépitas árvores nuas e negras pelas ruas da cidade. Passam um tempo assim, despercebidas, como se tivessem desaparecido, sumido.
Sem avisar ninguém vão se cobrindo de flores. Nesta época, final de maio e começo de junho, as flores estão cobrindo os ipês rosas, cujas flores se aglomeram em fantásticos buquês redondos, cheirosos, encantadores, um prêmio para nossos olhos cansados da rotina diária, da mesmice do nosso cotidiano corrido, cheio de pressa, de urgência, sem tempo para observar a natureza se recompondo minuto a minuto, para mais tarde nos presentear com flores, frutas, pequenos insetos, uns chatos, outros inofensivos.
Quando escrevi o primeiro texto, não tinha nenhuma foto que mostrasse em toda sua beleza e majestade os ipês floridos, mas isto foi resolvido com uma caminhada pelas ruas da cidade, vagarosamente em uma preguiçosa manhã de domingo.
A minha saída fotográfica foi focada nos ipês, de todos os tamanhos, uns mais maltratados pelos homens, deixados sem parte de sua copa para preservar os fios de energia, outros sem espaço para receber árvores em suas raízes devido ao pequeno espaço deixado para elas nas calçadas, mas mesmo assim eles se mostram generosos, nos seus galhos brotam os enormes buquês de flores, cujos galhos que os sustentam são finos, frágeis, mas também são fortes, pois garantem a segurança para as flores pelo tempo que viverem, precisarem de sustentação.
Para compartilhar com vocês, além das singelas palavras que escrevi, deixo algumas imagens para ilustrá-las.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

ENCCEJA 2017 – ELIMINAÇÃO DE MATÉRIAS – CONCLUSÃO ENSINO FUNDAMENTAL – CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO

Se este texto for útil para você, deixe seu comentário, dizendo se gostou, como encontrou este blog.

Se você precisa concluir o Ensino #Fundamental ou Ensino #Médio, não tem condições de frequentar a escola, tem 15  ou 18 anos, poderá se inscrever para as provas do #Encceja, que o MEC voltará a aplicar neste ano. Por meio desta prova você pode obter a #conclusão do Ensino Fundamental ou Ensino Médio, ou ainda, eliminar as matérias, nas quais conseguir acertar ao menos 50% das questões em cada área, inclusive na redação. Importante salientar, que a partir deste ano o #Enem deixará de servir para certificação do Ensino Médio, portanto se você precisa concluir o Ensino Médio aproveite e faça o #Encceja2017. Outra informação muito importante, para quem reside no Estado de São Paulo, é que após realizar a prova do encceja e não passar em todas as áreas, poderá procurar, a qualquer momento, um dos CEEJAS existentes. O CEEJA é uma Centro de Educação de Jovens e Adultos, que é um projeto, cuja fr…

Super heroína: minha mãe

Pela nossa vida procuramos modelos, ídolos, heróis com super poderes, mas não vemos os heróis e heroínas ao nosso redor. Quem são? Onde se escondem? O que fazem? Minha mãe é uma dessas pessoas: uma heroína! Por vários motivos, por isso falarei de alguns deles. Retirante, aos 19 anos, em uma viagem muito longa, com quase toda família, deixou o interior do Pernambuco, Serrita, veio para o interior do Paraná, Terra Rica, naquele tempo ainda distrito de Paranavaí, pequenina, ruas de terra, casas de madeira, o mato sendo desmatado. Vida dura, sem conforto! Casou-se aos 21, em um ano já tinha seu primeiro filho, enfrentava diariamente os desafios da primeira maternidade, os problemas com o marido, rude, mas trabalhador e honesto. Dois anos e pouco depois do primeiro filho, já tinha o segundo, mais dois anos, o terceiro filho, mais dois anos: eu nasci. Nesta época ela tinha dupla jornada: na roça trabalhando na enxada ao lado de meu pai (dos filhos pequenos) e quando chegava em casa, ainda tinh…