Reminiscências


A gente vai ficando mais velha, ou melhor, com mais experiência e começa a se lembrar de fatos e imagens de nossa infância, adolescência, juventude.
Vendo uma foto de meu sobrinho no Facebook, onde ele mostra uma coleção daquelas bolinhas coloridas de borracha sobre a cama, me veio à mente uma imagem da minha infância.
Quando crianças frequentávamos muito a casa de uma tia, que morava no centro da cidade, de uma pequena cidade do interior do Paraná. Uma casa grande, de madeira sem pintar, como a maioria das residências naquela época, e embaixo da varanda da cozinha havia uma caixa de água muito grande, alta, com uma cobertura de madeira com uma janelinha para retirar a água aos baldes. Se fosse só a caixa d’água, cheia deste líquido insípido, inodoro não teria graça! Mas não era apenas isto!
O que havia de especial nesta caixa além de água? No fundo dela havia uma grande coleção de bolinhas de gude, que chamávamos de “burca”, umas pequeninas, outras muito grandes! De todas as cores: brancas (leitosas), azuis, verdes, amarelas... Que maravilha! Um verdadeiro arco-íris de cores e com os raios de sol que entravam por aquela janelinha viravam um espetáculo!
Quando íamos lá, enquanto minha mãe e tia conversavam, eu ficava ali, olhando pela abertura da cobertura da caixa d’água vendo aquelas bolinhas tão bonitas e tão coloridas! As cores, os tamanhos, a luminosidades, tudo me fascinava!
A casa não existe mais! Com o passar do tempo foi demolida para dar lugar a outra mais confortável, mais moderna, de alvenaria!
As lembranças, tantas daquele quintal, daquela casa, daquela tia, daqueles primos não se apagam, nem com o tempo, nem com a distância!

Comentários