Pular para o conteúdo principal

A rotina na sala de aula I


Comecei lecionar em 1992, permaneci atuando em sala de aula até o início de 1997. Nesses anos tínhamos, em cada sala, uma parcela de alunos que não queria estudar, que vinham para a escola só para namorar, vagabundear, dizíamos que eles não tinham perspectiva de vida.
Desses alunos, muitos ficavam anos e anos se matriculando na mesma série, assistiam alguns meses de aula, se evadiam, retornavam mais tarde para o curso noturno regular ou então para a suplência, por isso o curso noturno sempre foi bastante complicado, parecia que existiam duas escolas diferentes co-existindo em uma só.
Anos se passaram, retornei para a sala de aula esse ano, 2010, em uma cidade do interior, mas sabendo que o alunado não seria muito diferente dos alunos de cidades grandes.
A situação descrita no início desse texto, mudou muito, e para pior, pois temos agora em sala de aula uma maioria de crianças e adolescentes, que diariamente vão para a escola, porém sem a menor vontade de aprender, de estudar.
Isso se observa no comportamento deles: falam o tempo todo, conversam com os amigos durante todos os 50 minutos da aula; o pior, quando o professor tenta explicar o conteúdo que está na lousa, isso piora, falam mais e mais alto, mesmo o professor gritando, pedindo silêncio, utilizando diferentes técnicas para atrair a atenção deles, tudo resulta em nada.
Já tentei explicar o conteúdo a partir de uma palavra, buscar o que sabem sobre ela, para ir aprofundando, até chegar a uma definição/conceito. Não funcionou!  Participam somente aqueles alunos (pouquíssimos!) interessados, que normalmente participam de tudo, os demais, mesmo para as questões mais simples: simplesmente respondem “não sei!”.
Já tentei atividades em grupo, conforme sugestão do material do sistema de ensino, mas se transforma no caos e o rendimento é quase nada, pois aproveitam o tempo somente para conversar sobre os mais variados assuntos, mesmo o professor circulando pela sala de aula, chamando a atenção, parando nos grupos, acompanhando... é frustrante!
Tentei dar aulas usando o data show, preparei o material, levei o data show, notebook, telão e quilos de fios para conectar os equipamentos. Como a escola não tem sala ambiente, não tem um auditório (sala multimídia), ou seja, um espaço onde pudesse deixar os equipamentos montados, deslocar as turmas para lá, tive que montar e desmontar o equipamento a cada troca de aulas. Resultado: uma perda enorme de tempo até ligar tudo, antes do final da aula desligar tudo, embalar, enrolar, sair correndo pra outra sala e começar tudo de novo. Enquanto eu mesma montava os equipamentos, eles conversavam, palpitavam formas de ligar e desligar (a maioria nem tem computador em casa!), levantavam-se, andavam pra lá e pra cá, mesmo eu pedindo a colaboração, o silencio, nada! Um trabalho enorme, estressante, para menos de 10 minutos de fala!
Comecei o bimestre lendo, a cada início de aulas, textos literários; contos, crônicas... nas primeiras vezes isso foi novidade, participaram um pouco, ouviram. Não demorou muito, mesmo fazendo uma leitura teatralizada, mudando vozes, gesticulando, mudando o tom de voz, o desinteresse se mostrou, começaram a conversar, não ouvir. Mesmo a leitura sendo feita em trechos, chamando-os à participação com questões, nada!!!
Aquele processo de ensino de aprendizagem onde há uma perfeita interação entre professor e aluno, um processo dialógico, no qual ambos aprendem, onde o primeiro vai tornando-se responsável por seu aprendizado... onde está?
De repente podem pensar, os leitores, que isso é problema de um único professor, despreparado, desmotivado, que não tenta diversificar suas aulas... não, senhores! Ouço as mesmas reclamações de colegas da mesma escola, que atuam no ensino fundamental II (5ª a 8ª) como eu, que atuam no Ensino Médio na mesma escola e em outras unidades escolares na mesma cidade e em cidades próximas.
O que vai ser desses adolescentes? Para onde irão? O que irão fazer no futuro? Que tipo de emprego/ocupação terão?


Comentários

margarida disse…
Del,li seu texto e é exatamente o que está acontecendo,cada ano os alunos chegam até nós sem interesse,sem nenhuma vontade,e o pior de tudo,pasme:com o aval da família,enquanto, essa não se aliar a escola, nada vai acontecer,ela tem que ser responsável pela aprendizagem do filho.Ainda bem, que há aquela meia dúzia que me anima,mas é muito pouco.
Lucelena disse…
Após a leitura de seu texto percebi que são múltiplas a ações que os professores executam para obterem um resultado positivo de seu trabalho, agora mesmo acabei de finalizar uma apresentação em power-point, que me tomou uma boa parte do sábado, orientando os professores de como manter a disciplina e assim consequentemente, a atenção dos alunos. Espero que consiga, sei que não será 100%, mas o pouco que conseguir, já será de grande valia.
catléia disse…
Lucelena, acredito que tudo que fizermos para orientar e auxiliar o Professor em sala de aula sempre será positivo. Temos muitos professores jovens, ingressantes, que saíram da Faculdade/Universidade, esperavam encontrar um aluno idealizado em sala de aula, mas quem está nas salas é o aluno real, com todos os problemas que conhecemos bem. Conheci um jovem professor, formado pela Unicamp, que tem uma bagagem enorme, mas que estava frustrado, pois tem muito conhecimento e ainda não encontrou meios de conseguir transpor este conhecimento para a prática. A Direção e Coordenação da Escola o tem apoiado muito, mas há uma incerteza se ele continuará no magistério.

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas sobre provas para eliminação de matérias e ENCCEJA E ENEM

Escrevi uma postagem com dicas para concurseiros de primeira viagem, mas analisando os atendimentos diários que faço no meu trabalho, pensei em escrever outro(s) texto(s) com dicas ou orientações sobre outros assuntos, pois mesmo com tanta informação disponível, as pessoas continuam sem conhecimentos básicos, que podem ajudá-las a resolver problemas simples do seu cotidiano, que vão desde onde procurar a informação, como também onde cobrar seus direitos.
Para começar esta série de textos, vou falar um pouco das provas para eliminação de matérias. As pessoas buscam muito este tipo de avaliação, na qual, desde que atinjam as médias, eliminam todo o ensino fundamental ou todo o ensino médio.
Para quem pretende eliminar o ensino fundamental - Ciclo II (antigo ginásio, 5ª a 8ª série, 6º ao 9º ano atualmente) poderá fazê-lo por meio do Encceja, que é uma avaliação de eliminação de matérias, ou seja, o candidato pode ir eliminando áreas (Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza, Ciências Hum…

ENCCEJA 2017 – ELIMINAÇÃO DE MATÉRIAS – CONCLUSÃO ENSINO FUNDAMENTAL – CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO

Se este texto for útil para você, deixe seu comentário, dizendo se gostou, como encontrou este blog.

Se você precisa concluir o Ensino #Fundamental ou Ensino #Médio, não tem condições de frequentar a escola, tem 15  ou 18 anos, poderá se inscrever para as provas do #Encceja, que o MEC voltará a aplicar neste ano. Por meio desta prova você pode obter a #conclusão do Ensino Fundamental ou Ensino Médio, ou ainda, eliminar as matérias, nas quais conseguir acertar ao menos 50% das questões em cada área, inclusive na redação. Importante salientar, que a partir deste ano o #Enem deixará de servir para certificação do Ensino Médio, portanto se você precisa concluir o Ensino Médio aproveite e faça o #Encceja2017. Outra informação muito importante, para quem reside no Estado de São Paulo, é que após realizar a prova do encceja e não passar em todas as áreas, poderá procurar, a qualquer momento, um dos CEEJAS existentes. O CEEJA é uma Centro de Educação de Jovens e Adultos, que é um projeto, cuja fr…

Documentos escolares: onde encontrá-los?

Muito já se falou a respeito da internet. Que é uma boa ferramenta. Que é perigosa, em especial para crianças, que ainda não têm senso para perceber o perigo. Além disto, já se falou também da infinidade de informações que temos acesso pela net. Vamos falar, neste texto, deste último ponto. Como ter acesso a esta infinidade de informações, chegando até a informação que se deseja. Por meio deste blog, sempre recebo perguntas de internautas sobre alguns textos, alguns assuntos, que abordei em outras postagens, pedindo maiores informações. Ontem recebi um destes questionamentos, que pedia mais informações sobre o CEEJA. Deste questionamento surgiu a ideia desta postagem. Como a pergunta era relacionada à Educação, irei tratar, nesta postagem, disto... Onde conseguir maiores informações a respeito de: escolas, históricos, documentos antigos, etc... etc... Vou focar, nesta postagem, as informações relacionadas ao Estado de São Paulo, pois cada Estado da Federação tem uma Secretaria de Educação…