domingo, 24 de novembro de 2013

Mais um final de ano se aproxima...

Mais um final de ano se aproxima. Ouvimos (e falamos) os mesmos comentários “Como passou rápido!”, “Nossa! Este ano passou rápido demais, não é?”

Começa mais uma vez a rotina de todos os anos, que se inicia com os tempos pré-natal. Os supermercados começam a ficar mais cheios. As pessoas me parecem mais impacientes, correndo atrás não sei do quê.
Meio sem querer iniciamos um processo de avaliação do que fizemos ou deixamos de fazer durante o ano que termina. Começamos a fazer planos para o novo ano, muitos sabemos que não iremos realizar, mas mesmo assim fazemos. A dieta para perder uns quilos. Começar a freqüentar a academia. Iniciar uma caminhada para torná-la um hábito saudável.
Também faço meus planos. Chamo-os de metas, objetivos. Este ano ainda não os fiz, mas acredito que até o início do próximo ano já os terei em mente.
Relendo algumas postagens minhas, aqui neste blog, verifico que consegui realizar algumas metas, pequenas, outras não realizei, mas realizei outras, que nem tinha planejado.
Vamos as realizadas nos últimos três anos:
- voltar a dirigir;
- comprar um carro (usadinho), mas é meu;
- adquiri um guarda roupas novo para meu quarto;
- mantive meu blog atualizado regularmente;
- participei de concursos literários;
- participei de alguns concursos de fotografia;
- fiz dois cursos, curtos, de fotografia;
- cursei mais uma pós graduação;
- mudei de trabalho e continuo nele, mesmo com curtas interrupções;
- participei de duas saídas ótimas fotográficas em São Paulo, nas quais levei duas pessoas muito especiais para mim, que também compartilham comigo o amor pela fotografia;
- meu blog participa há três anos do Prêmio Top Blog.
Não realizadas:
- exposição de fotos;
- não continuei as aulas particulares com D.J., devido a problemas de saúde de familiares de minha ex-aluna.
Realizei outras coisas, que constam acima, que nem foram planejadas inicialmente, mas surgiram oportunidades e eu as aproveitei.
Mas e você, leitor, o que planejou e realizou em 2013? O que está planejando para 2014? Quais as suas metas?






domingo, 17 de novembro de 2013

Visita à Pinacoteca: minhas impressões

Estive novamente na Pinacoteca, visitando e revisitando obras, espaços. Fotografei peças, pessoas, luminosidades.
Muitas coisas me chamaram a atenção, pois permaneci, visitando as exposições, por várias horas. Observei muito, fui registrando em imagens algumas destas coisas.
As obras estão estrategicamente colocadas, em alguns casos, aproveitando a luz natural do ambiente, que é refletida por vidros, seja no teto, nas janelas, portas. 
Observei o movimento das pessoas, adultos e crianças, pelos amplos espaços e a observação que faziam do que estava sendo visto. As crianças viam, paravam para observar, curtir, uma obra muito colorida, que esguicha água por vários orifícios. Esta obra colorida fica próxima ao elevador. Ela é composta de várias mulheres rechonchudas e com roupas muito coloridas. É intitulada Fonte das Nanás, 1974, da artista plástica Niki de Saint Phalle. Várias crianças paravam ao lado dela, subiam no patamar que a rodeia, ficavam com os olhinhos grudados nela.
Já para os adultos era mais difícil, ao menos para mim, verificar as predileções por esta ou aquela, pois passeavam por todos os espaços, tiravam fotos da obra, postando-se ao lado dela, enfim fazendo inúmeros registros.
Falando em registros, a fotografia, neste dia, foi uma das coisas que também me chamaram a atenção. Vi inúmeras pessoas com máquinas fotográficas digitais compactas, semiprofissionais, profissionais, celulares. Isto mostra o quanto a fotografia se popularizou. Arrisco a dizer que estamos vivendo a era da imagem, mais até do que da palavra. 
Também verifiquei a diversidade de públicos no Museu, pois é um local de fácil acesso, ao lado da Estação da Luz, centro de São Paulo, também perto do Museu da Nossa Língua Portuguesa. Além da proximidade de outros museus, aos sábados a visitação é gratuita, o que também contribui para a ampliação da visitação. 
Além das obras no interior da Pinacoteca há diversas delas espalhadas pelo Jardim da Luz. Entre elas há algumas de Victor Brecheret e de diversos outros artistas também, todas identificadas. 
Além das obras de arte expostas a natureza do Jardim é um show à parte. Tem uma diversidade de árvores, que deixam o ambiente muito mais gostoso. As pessoas caminham, observam as esculturas e as plantas, há aqueles que leem, conversam, tomam sorvete. 
Cada vez que retorno à Pinacoteca sempre percebo detalhes, que não tinha observado antes. Um destes detalhes, que observei desta vez, é que existem reproduções de algumas obras famosas, feitas por artistas brasileiros, mas todas identificadas como reproduções.
Abaixo fotos que mostram um pouco do que contei!



























domingo, 10 de novembro de 2013

Memórias e histórias da fotografia

Quando eu era criança, moradora de sítio, mais tarde de cidade, mas cidade pequena, de interior, tinha aversão à fotografia. Chorava, quando tinha que posar para uma foto. Talvez porque a fotografia fosse uma coisa rara. Tenho pouquíssimos registros de minha infância. Dois ou três. Um deles estávamos, a família inteira (menos meus irmãos caçulas, que chegaram muitos anos depois) sentada em um sofá, na sala da casa de uma tia. Meus pais ao centro, os filhos ao redor, eu, a caçula, no colo de minha mãe.
Só víamos um retratista, quando este profissional, passava pela cidade. Por volta de meus cinco ou seis anos, tivemos um vizinho, que era fotógrafo. Trabalhava em um Foto junto com o cunhado. Desta época tenho duas fotos, tipo 3x4, mas em tamanho maior.
Meus irmãos não foram diferentes. Têm poucas fotos. As tradicionais da época, de binóculo, tiradas na escola ao término do primário. Na época concluir a quarta série era muito mais difícil, devido à reprovação. Mais tarde o exame de admissão para o ginasial era outra barreira. Ainda não era comum ser fotografado, somente quando passava um fotógrafo na escola com esta finalidade, a de registrar o término do primário ou ginasial. Fotos em preto e branco, as coloridas, ainda meio opacas, vieram mais tarde. Ainda de binóculos.
Minhas fotos já foram de outra época. Já foram de papel, ainda em preto e branco, claro.
Mais tarde, muito mais tarde. Comprei minha primeira máquina fotográfica. Uma simples, muito simples, toda de plástico, preto. Uma Kodak instamatic. Agora um objeto vintage, que foi sequestrado pela sobrinha, também apaixonada por fotografia.
Com ela tirei fotos, acho que bastante. Que mandava para o foto para revelação e ficava aguardando dias e dias até ficarem prontas. Não raro vinham algumas queimadas, tremidas, com cabeças cortadas, com fantasmas. Mas a espera era muito legal! A ida ao foto, abrir o envelope e só então ir degustando uma a uma das imagens saídas daquela caixinha mágica!
Atualmente, algumas décadas passadas, uso máquinas digitais. Ainda há a emoção de ir vendo as centenas de fotos, uma a uma, selecionando as melhores, que vão para um álbum no Flickr, outras que posto no Facebook.
O melhor da fotografia digital, mas que é parte de uma época, foi a popularização da imagem. Os celulares têm câmeras, os tablets também, há as máquinas portáteis, as semiprofissionais, as profissionais, as retrós, e uma infinidade de acessórios para fotógrafos. Um hobby caro! Muito caro, ainda!

Entretanto como há câmeras de todos os tipos, as pessoas tiveram mais acesso à fotografia, coisa que, há décadas atrás, era apenas um sonho!

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Alcance dos meus textos

Realizamos certas coisas, que não sabemos até que ponto estão atingindo as pessoas. Com este blog também é assim.
Escrevo muito, regularmente, toda semana há pelo menos uns três anos. Muitos destes textos trazem informações, que considero importantes, pois, no meu cotidiano, percebo esta necessidade em conversas que tenho com pessoas atendidas no meu local de trabalho.
Percebo esta importância também ao verificar estes textos entre os mais populares, os mais visitados do blog.
Dito isto, quero saber de você, leitor, internauta, seguidor do blog, de que forma um de meus textos ajudou-o. Que informação buscava, foi encontrada, ou, ainda melhor escrita aqui. Como isto foi útil para você?
Aqueles que quiserem, poderão responder a esta pergunta nos comentários, link abaixo desta postagem.  Além do depoimento, por gentileza, me autorizem a reproduzi-lo no blog.

Agradeço de antemão a todos que se dispuserem a responder!

Postagem em destaque

O QUE FAZ UM SUPERVISOR DE ENSINO?

Recentemente após certa postagem no facebook, duas respostas em tom de gracejo, me deixaram extremamente irritada! Ambas davam a entende...

Você também poderá gostar de...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...